Marchezan vai chamar prefeitos da Grande Porto Alegre para debater “pedágio urbano” e taxa sobre aplicativos

Ônibus em Porto Alegre. Prefeito acha tarifas altas

Objetivo é criar condições para baratear as tarifas de ônibus e instituir o “tarifa-zero” para o trabalhador formal

ADAMO BAZANI

O prefeito Nelson Marchezan Júnior convidou colegas das cidades vizinhas para debater em âmbito metropolitano medidas para deixar as tarifas dos transportes públicos mais baratas.

O convite formal para um encontro na próxima semana foi feito ao presidente da Associação dos Municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre (Granpal), Miki Breier, prefeito de Cachoeirinha, e demais prefeitos.

Marchezan que enviou no final de janeiro um pacote de propostas à Câmara Municipal para reduzir a R$ 2 a tarifa comum dos ônibus de Porto Alegre e instituir “tarifa zero para o trabalhador com carteira assinada” apontou como uma das fontes de receita para bancar as medidas, a cobrança de uma espécie de pedágio urbano de R$ 4,70 (mesmo valor da tarifa básica de ônibus) para carros de outros municípios acessarem a capital gaúcha.

A proposta causou descontentamento em prefeitos da região metropolitana. Em nota, a prefeitura de Porto Alegre diz que a medida visa beneficiar as pessoas de menor renda que usam o transporte coletivo com uma fonte de financiamento para tarifas mais baixas que viria do transporte individual. A prefeitura ainda cita que muitas vezes é mais caro vir da Grande Porto Alegre para a capital por transporte coletivo do que de carro, o que seria uma distorção.

“A gestão municipal propõe que veículos vindos de outras cidades paguem o valor de R$ 4,70 para entrar e sair quantas vezes quiserem de Porto Alegre, valor este que é igual a passagem de ônibus paga hoje na cidade, ou o equivalente a um litro de gasolina. Um cidadão que vem de ônibus da cidade de Cachoeirinha, por exemplo, paga cerca de R$ 16 ida e volta. Se ele precisar fazer isso, mais de uma vez, este valor pode chegar a R$ 32. Todos os valores de uma viagem apenas de vinda das cidades da região são superiores aos R$ 4,70 propostos.”

Na nota, Marchezan diz que ao comparar os custos dos deslocamentos de carro e de ônibus, é possível perceber que as tarifas do transporte público é são muito elevadas, o que prejudica predominantemente quem tem renda menor.

“Quando a gente compara o valor sugerido com uma passagem de ônibus, percebe que realmente a passagem é elevada. Se alguém que tem veículo não quer pagar R$4,70, imagina o peso disso para alguém que mora na periferia dos municípios da Região Metropolitana.”, disse na nota, acrescentando que o debate pode ser incompleto se não for levado em conta os impactos no trânsito e poluição pelo transporte individual.

“Se a preocupação for seletiva, apenas com os que têm condições de andar de carro, que poluem e congestionam a cidade ainda mais que os 1.500 ônibus que entram várias vezes diariamente em Porto Alegre, esse debate está incompleto”

Segundo a prefeitura, devem ser chamados para debater representantes do Tribunal de Contas do Estado, Ministério Público Estadual, Metroplan, Associação dos Transportadores de Passageiros e Associação dos Transportadores Intermunicipais Metropolitanos de Passageiros.

No comunicado à imprensa, a prefeitura de Porto Alegre ainda destacou as tarifas aplicadas na região metropolitana.

I,AGWE

Como mostrou o Diário do Transporte, no dia 27 de janeiro de 2020, a prefeitura apresentou  um pacote de propostas que engloba a cobrança do ingresso de carros de outras cidades em Porto Alegre, criação de uma taxa sobre aplicativos de carros como 99 e Uber, uma taxação às empresas para garantir passe livre a quem está registrado em carteira e a retirada gradual dos cobradores de ônibus.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/01/27/porto-alegre-propoe-taxar-aplicativos-para-reduzir-a-zero-tarifa-de-onibus-para-trabalhador/

Diante de uma ameaça de greve dos funcionários em transportes coletivos, a Câmara rejeitou na segunda-feira, 3, a possibilidade do fim da função dos cobradores no sistema.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2020/02/03/camara-municipal-de-porto-alegre-rejeita-projeto-da-prefeitura-para-retirar-cobradores-de-onibus/

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Informe Publicitário
Assine

Receba notícias do site por e-mail

Comentários

Comentários

  1. Nicolau disse:

    Um tiro na cabeça do Marchezan. O que eu tenho a haver comas passagens de ônibus a ganancia das empresas de transporte fizeram o preço subir varias vezes acima da inflação e depois vem a desculpa furada que é o passe livre para idosos e estudantes sempre exisriu este passe e o preço era mais barato que o litro do diesel mas cono tivemos a ganância do prefeito de porto alegre e dos empresários o preço subiu muito acima da inflação. Mudo de placa faço falncatruas e não pago para este cananha deste prefeito que tira do povo para ajudar os empresários gananciosos.

  2. Gilberto correa soares disse:

    Como eu vou pagar pedágio se a cidade não oferece ao cidadão seguranca, quando se vai a Porto Alegre corremos riscos ser assaltados e mortos e, querem cobrar como se fosse lugar de primeiro mundo, a terrina, o mundo real e bem diferente!!!

Deixe uma resposta