Quarta manifestação contra aumento da tarifa termina com quatro detenções

Publicado em: 23 de janeiro de 2020

Ato teve início em frente ao Terminal Parque Dom Pedro II, na região central de São Paulo. Foto: Divulgação

Grupo marca novo ato em frente à Secretaria de Segurança Pública

JESSICA MARQUES

A quarta manifestação contra o aumento da tarifa de ônibus e trens na capital paulista terminou com quatro detenções na noite desta quinta-feira, 23 de janeiro de 2020. O ato teve início em frente ao Terminal Parque Dom Pedro II, na região central de São Paulo.

Segundo informações do Passe Livre São Paulo, que organizou o ato, os manifestantes seguiram para a rua Boa Vista, onde colaram cartazes contra os cortes de linhas de ônibus na frente da Secretaria de Transportes. Depois, foram para a Secretaria de Segurança Pública, onde fizeram um jogral denunciando a violência policial e puseram máscaras com a face do governador João Doria e do prefeito Bruno Covas.

Por volta das 19h30, os policiais militares impediram a passagem dos manifestantes para a Praça Liberdade, com um cordão de isolamento. Em seguida, o caminho foi liberado e, segundo informações da PM (Polícia Militar), os manifestantes atearam fogo em uma catraca.

Manifestante mascarado é detido após agredir policiais militares do 7º BAEP com pauladas. Ao todo, foram 4 detidos na Manifestação do MPL. Todos conduzidos ao 2º DP”, informou a PM.

Além disso, também jogaram pedras, ovos e tinta contra os policiais, que revidaram com bombas de gás.

Imagens da Polícia Militar mostram semáforos e uma agência bancária destruídos após a manifestação. Confira:

Por considerar violenta a atitude da PM para conter os manifestantes, o Movimento Passe Livre São Paulo marcou um novo ato para 30 de janeiro de 2020, próxima quinta-feira, às 17h, na Rua Libero Badaró, n° 39, em frente à Secretaria de Segurança Pública.

Confira a nota do Movimento Passe Livre São Paulo sobre a manifestação desta noite:

Pela quarta vez em 2020, ocupamos as ruas da cidade contra a tarifa e seus aumentos. Hoje, o ato se iniciou em frente ao Terminal Parque Dom Pedro II, o maior terminal de ônibus da América Latina. Durante a concentração, de um lado a população trabalhadora demonstrava seu apoio à luta por um transporte público de verdade, mas do outro, a Polícia Militar enquadrava arbitrariamente as pessoas no local, tentando criar um clima de medo e tensão.

Mesmo assim, manifestantes não arredaram o pé e ocuparam as ruas do centro da cidade. Do Terminal seguiram para a R. Boa Vista, onde colaram cartazes contra os cortes de linhas de ônibus na frente da Secretaria de Transportes. Depois, seguiram para a Secretaria de Segurança Pública onde fizeram um jogral denunciando a violência policial comandada pelo Governador. E ainda puseram máscaras de Doria e de Covas pra mandar o recado: lutar é um direito.

Quando o ato estava chegando na Estação Liberdade, a PM BLOQUEOU a manifestação para defender as catracas. Mesmo assim, as pessoas do ato não se intimidaram. Queimaram simbolicamente uma catraca pra dizer que A RUA É DO POVO!

Foi então que, de repente, a Polícia Militar com tropas do BAEP, ROTA, Tática e Cavalaria avançou pra cima dos/as manifestantes com balas de borracha, cassetetes e bombas. Como se não bastasse, as forças policiais ainda agrediram e detiveram 4 manifestantes. Ninguém fica pra trás: estamos acompanhando as detenções e atualizaremos os informes.

Mais uma vez, o Governador e o Prefeito escolhem gastar mais dinheiro e usar muita violência para defender o lucro dos empresários, ao invés de simplesmente liberar as catracas pra população. Mostram que governam para poucos. Que fiquem ligeiros: vai ter volta. A luta continua até a tarifa zerar.

NÃO VÃO NOS PROIBIR DE LUTAR POR UM TRANSPORTE VERDADEIRAMENTE PÚBLICO!

::: ESCRACHO NA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA
30/1, quinta, 17h, na Rua Libero Badaró, n.39

REAJUSTE

O reajuste foi em 01º de janeiro de 2020, quando o valor da tarifa básica foi de R$ 4,30 para R$ 4,40 nos ônibus municipais de São Paulo (gerenciados pela SPTrans), no Metrô, monotrilho e CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos).

Segundo a Prefeitura de São Paulo e o Governo do Estado, o reajuste é de 2,33%, abaixo da inflação, que, pelo IPC/Fipe – Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, chegaria até 4,08% no fim de dezembro de 2019.

Conforme noticiado pelo Diário do Transporte,a Prefeitura também aumentou o vale-transporte de R$ 4,57 para R$ 4,83. A alta foi acima da inflação, atingindo 5,7%. A integração pelo vale-transporte subiu 10,2% passando de R$ 7,95 para R$ 8,76, segundo comunicado do secretário municipal de mobilidade e transportes, Edson Caram, para o presidente da Câmara Municipal, Eduardo Tuma.

As tarifas integradas e dos bilhetes temporais também tiveram reajuste.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Comentários

  1. Roberson disse:

    Não vai dar em nada, podem se manifestarem, doria e brunimho estão bem alinhados com os donos das empresas de ônibus

Deixe uma resposta