Viação Acari nega rumores sobre fechamento da empresa

Publicado em: 17 de janeiro de 2020

De oito linhas sob responsabilidade da empresa, apenas duas estão em operação por conta da greve. Foto: Jorge Gonçalves / Ônibus Brasil.

Trabalhadores estão em greve desde a manhã de quinta-feira

JESSICA MARQUES

A Viação Acari, que opera no transporte coletivo do Rio de Janeiro, negou os rumores sobre o fechamento da empresa que estão circulando nas redes sociais nesta sexta-feira, 17 de janeiro de 2020.

Ao ser questionada sobre a possibilidade, a Viação Acari informou ao Diário do Transporte que a informação não procede.

Os trabalhadores da empresa estão em greve desde a manhã de quinta-feira, 16. De oito linhas sob responsabilidade da empresa, apenas duas estão em operação devido à paralisação.

Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2020/01/17/paralisacao-de-onibus-da-viacao-acari-continua-afetando-moradores-do-rio-de-janeiro/

Os funcionários alegam que a empresa está com o pagamento de salários e 13º atrasado. Desta forma, motoristas, cobradores, fiscais e profissionais do setor administrativo decidiram cruzar os braços.

À mídia local, o Sintraturb (Sindicato dos Rodoviários do Rio de Janeiro) afirmou que entrou com uma ação no Tribunal Regional do Trabalho pedindo a penhora da arrecadação dos consórcios Internorte e Transcarioca, além da própria empresa, para que os pagamentos atrasados sejam regularizados em até 72h.

“Essa situação já vem se arrastando há cerca de dois meses, culminando agora com a paralisação dos profissionais da categoria. A situação do transporte público está cada vez maia caótica. Onze empresas já fecharam as portas e esse número ainda pode aumentar com a situação precária da Pégaso, Paranapuan e Vila Isabel. O transporte público está abandonado. Até onde vai essa crise?”, disse o vice-presidente do Sintraturb, José Carlos Sacramento.

Em nota ao Diário do Transporte, a Viação Acari informou que continua buscando medidas emergenciais para minimizar os efeitos da paralisação de seus funcionários.

Confira a nota, na íntegra:

“A Viação Acari informa que continua buscando medidas emergenciais para minimizar os efeitos da paralisação de seus funcionários, que teve início quinta-feira (16/01). A empresa está negociando a regularização dos pagamentos que estão em atraso, a fim de normalizar a operação. Das oito linhas que a empresa opera, duas estão em funcionamento.

A Acari ressalta que a paralisação dos colaboradores é reflexo da maior crise enfrentada pelas empresas de ônibus do Rio de Janeiro. A empresa vem sendo impactada pela redução no número de passageiros transportados e pelo desequilíbrio tarifário.”

A Viação Acari é responsável por oito linhas dos consórcios Internorte e Transcarioca. Confira:

  • 254 (Madureira x Candelária)
  • 277 (Rocha Miranda x Candelária)
  • 456 (Norte Shopping x Copacabana)
  • 650 (Marechal Hermes x Engenho Novo)
  • 667 (Madureira x Méier)
  • 686 (Fazenda da Bica x Madureira)
  • 457 (Abolição x Copacabana)
  • 607 (Cascadura X Rio Comprido)

A Prefeitura do Rio de Janeiro, por meio da SMTR (Secretaria Municipal de Transportes) informou que reforçou a fiscalização devido à greve.

“A SMTR já acionou o consórcio responsável pela empresa para que tome as medidas necessárias previstas no contrato, e reforçou a fiscalização. Vale lembrar que o pagamento de salários e benefícios é uma obrigação da empresa com seus funcionários”.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Comentários

  1. valderei nogueira disse:

    Tenho conhecimento que o grupo JAL (Turismo três Amigos, Flores , Mageli e Real Rio) tem forte participação ou é 100% dona da Viação Acari, não tem como essa empresa ir a falência. Valderei Nova Iguaçu

  2. sergio soares jacinto disse:

    Nao justifica problema tarifario alegado pela Acari devido a extinçao do trocador que sempre existiu e so fez aumentar o lucro. A Caixa preta dessas empresas precisam ser abertas (planilha de custo). A Prefeitura e conivente por omissao

Deixe uma resposta