Uber tem atividades suspensas na Colômbia

Além da resistência dos taxistas, Uber enfrentou oposição frontal do novo governo da Colômbia.

Órgão governamental afirmou que multinacional incorreu em concorrência desleal no país

ALEXANDRE PELEGI

Nesta sexta-feira, 20 de dezembro de 2019, a Superintendência da Indústria e Comércio (SIC) da Colômbia determinou a cessação da prestação de serviços de transporte realizado pela Uber. A decisão ocorreu após a SIC declarar que a empresa incorria em concorrência desleal, violando as regras e gerando desvio de clientes, fornecendo o serviço de forma irregular.

A Superintendência da Indústria e Comércio é um órgão técnico, de natureza administrativa, vinculado ao Ministério da Indústria e Turismo. Sua atividade visa fortalecer os processos de desenvolvimento de negócios e os níveis de satisfação do consumo colombiano.

A autoridade governamental estabeleceu que a Uber, ao fornecer o serviço de transporte individual de passageiros, viola as regulamentações que regulam o mercado, gerando uma desvantagem significativa em relação a outros atores e gerando desvio da clientela.

Como resultado da análise, a SIC ordenou que os réus interrompessem imediatamente os atos de concorrência desleal declarados e que fossem executados usando o aplicativo ‘Uber’; da mesma forma, cessassem imediatamente o uso de conteúdo, acesso e prestação do serviço de transporte individual de passageiros sob as modalidades ‘Uber’, ‘Uber X’ e ‘Uber VAN’, por meio do uso da aplicação tecnológica ‘UBER’ no território colombiano”, afirmou a entidade na decisão.

A Uber chegou à Colômbia em 2013 e está presente em 12 cidades. Atualmente, possui mais de 2,2 milhões de usuários ativos e mais de 88.000 parceiros registrados no aplicativo.

Desde a sua chegada ao país, a plataforma enfrentou uma série de dificuldades devido à falta de regulamentação.

Em várias ocasiões, o Ministério dos Transportes insistiu que a Uber é ilegal na medida em que nem a plataforma está autorizada a operar, nem é um serviço de transporte registrado e aprovado pela entidade.

A Uber afirmou em nota que vai recorrer da decisão.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. pior que a população dá combustivel à eles, um radio táxi faz o mesmo serviço e é mais seguro. Aqui na grande SP está havendo assaltos e mortes com Uber, os ladrões confundem,,,e quem pegar UBER está à própria sorte do mundo…Mania de Uber custa caro ….a vida.

Deixe uma resposta