SPTrans faz consulta pública para edital de manutenção do pavimento, guias e sarjetas do transporte coletivo da capital

Publicado em: 20 de dezembro de 2019

Foto: Robinho Santos

Críticas e sugestões deverão ser dirigidas à Gerência de Contratações Administrativas no período de 20 dezembro a 03 de janeiro de 2020

ALEXANDRE PELEGI

A São Paulo Transporte S/A (SPTrans), gerenciadora do transporte público da capital paulista, abriu Consulta Pública para subsidiar a elaboração de Edital para a contratação de empresa ou consórcio para prestação de serviços de manutenção dos viários de interesse do serviço de transporte coletivo.

O edital abrangerá o pavimento, guias, sarjetas, bocas de lobo e demais serviços complementares.

A Licitação será do tipo menor preço, na forma presencial e pelo modo de disputa fechado. A contratação se dará sob o regime de empreitada por preços unitários.

As críticas e sugestões deverão ser dirigidas à Gerência de Contratações Administrativas GCA da SPTrans no período de hoje até 03 de janeiro de 2020, às 17h, exclusivamente por escrito e mediante protocolo, na Rua Boa Vista nº 236 – 2º andar/frente – São Paulo/SP, ou, via e-mail: licitacoes@sptrans.com.br.

As críticas ou sugestões deverão indicar as cláusulas, itens e subitens do Edital, acompanhadas de argumentação que as justifique. Todas serão publicadas, juntamente com o resultado de sua análise no Diário Oficial da Cidade e no link “licitações” do site da SPTrans – www.sptrans.com.br/licitacoes

O edital pode ser obtido pelo link “licitações” do site da SPTrans.

SPTrans_consulta publica.png

 

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Rogerio Belda disse:

    Devemos ser otimistas quanto ao futuro das condições de vida nas cidades em um mundo cada vez mais urbano. Mas aqui na cidade de São Paulo que é responsável pela manutenção de calçadas é o proprietário dos imóveis que quase sempre não é o seu ocupante. Resultado: São pisos difíceis de serem percorridos a pé, sem continuidade e, em alguns casos, simples rampas de entrada de garagens. Acho que autoridade e cidadãos paulistanos deveriam, por 15 minutos, percorrerem calçadas de olhos vendados para perceber a dificuldade e cadeirantes em não ficar reclusos em suas casas. Certa vez ajudei uma senhora que devido a uma queda em calçada paulista, quebrou o nariz e procurava uma farmácia. Porém, a experiência mais impactante, foi ter recebido de uma jovem cega, o pedido que a ajudasse a chegar a um endereço.
    Fiquei, então, pensando, que todos os administradores urbanos deveriam ser obrigados a andar em um pequeno trecho de calçadas de olhos vendados A solução tentada em São Paulo “em doriar a pílula” ao pedir que denunciar seu vizinho se a calçada não for adequada. Ocorre que
    o vivinho pode ser o inquilino do imóvel e não o seu proprietário. Mas, sempre há esperanças, embora também em termos federais as coisas andam bastante destrambelhadas. Rpgério Belda – SP – PS – Tenho um homônimo no Rio de Janeiro ( Não critiquem a pessoas errada ).

Deixe uma resposta