Membros de conselho protocolam pedido para Covas não aumentar a tarifa de ônibus em São Paulo

Publicado em: 20 de dezembro de 2019

Secretaria propõe reajuste de dez centavos, para R$ 4,40

ADAMO BAZANI

Onze integrantes do CMTT – Conselho Municipal de Transporte e Trânsito protocolaram na manhã desta sexta-feira, 20 de dezembro de 2019, uma carta para que a prefeitura de São Paulo não reajuste a tarifa de ônibus para o ano que vem.

Ontem, a SMT – Secretaria de Mobilidade e Transportes, durante reunião do conselho, informou uma proposta de reajuste de 2,33%, índice abaixo da inflação acumulada, o que elevaria o valor em dez centavos, subindo de R$ 4,30 para R$ 4,40.

A carta foi endereçada ao Prefeito Bruno Covas, ao Secretário de Governo Mauro Ricardo, e ao Secretário de Transportes Edson Caran, em 2020, a Orçamento da prefeitura será maior.

Um dos argumentos foi que remanejamentos dentro da lei, na visão do grupo, permitam absorver os impactos de um congelamento.

Os principais pontos da carta são:

– A situação financeira da prefeitura é mais confortável, oorçamento irá aumentar ano que vem, a arrecadação também. Ja a sociedade está em crise e com uma onda de desemprego.

– Seria mais justo que a prefeitura assumisse este aumento, que representa apenas R$ 127 milhões para os cofres públicos e evitasse o impacto social decorrente do aumento;

– Como o sistema irá reduzi de custo no ano que vem, e o subsídio também, apenas uma modulação da redução do subsídio – que está prevista em R$ 627 milhões – conseguiria cobrir os custos do aumento da tarifa;

– O impacto social da tarifa, que já é conhecido por estudos do Ipea e citado no Plano de Mobilidade de São Paulo é desprezado pela Secretaria, e novamente não foi mensurado e estudado para a proposição desse aumento

– A prefeitura também tem falhado em outras ações de redução do custo e aumento da eficiência do sistema como a implantação de corredores de ônibus e faixas exclusivas

O orçamento da prefeitura, aprovado na noite desta quinta-feira, 19, prevê um valor menor de subsídios, que passariam dos atuais R$ 3,1 bilhões para R$ 2,48 bilhões

O prefeito ainda não decidiu sobre o aumento.

Veja a carta na íntegra:

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Luis Carlos da Silva disse:

    Não precisa reajustar a tarifa, uma readequação das linhas seria suficiente para resolver o problema do custo do sistema.
    Linhas implantadas na época em que não haviam integrações gratuitas hoje são desnecessárias.
    Mais viagens seriam geradas com menos ônibus.
    Agilidade e preguiça não caminham juntas.
    Linhas longas acabam travando o sistema e aumentando as reclamações dos passageiros que acabam ficando mais tempo nos coletivos e nos pontos.

  2. Rogerio Belda disse:

    Não sou o mais categorizado para discutir este assunto porque disponho, pela minha idade, de utilização gratuita de acesso aos sistemas de transporte público urbano, Um prefeito de uma cidade paulista pensou em cobrar na tarifa da agua uma taxa para subsidiar o transporte coletivo urbano. Uma solução engenhosa que não prosperou porque, como tudo na vida, tem aspectos favoráveis e desfavoráveis. Mas qualquer que seja a analise adotada, não poderá ser negligenciada a condição aporética de que, se todos os habitantes de uma cidade usarem automóveis para seu deslocamento, o espaço necessário para circulação e estacionamento seria superior ao normalmente necessário. Um filósofo dirá que é uma “condição aporética”. No México, há uma cidade (Guanajuato) onde não circulam veículos motorizados, mas tal modelo não pode ser reproduzido porque foi possível, pelas suas condições peculiares”: Guanajuato deslocou o curso de um rio, utilizando seu leito para ser acesso viário a um grande estacionamento, para automóveis, na área mais central. Na cidade só anda-se a pé ou de bicicleta. Vale a pena visitá-la e, como complemento ainda pode-se visitar a casa de Frida Kalo e Diogo Rivera, que tornou-se um museu, R Belda-SP ( Lembrei-me da casa
    de Cora Coralina, aqui no Brasil,que também virou um museu interessante ( Quem for visitar, irá ver, entre os pertences dela, um capacete de visita às obras da 1ª linha do metrô de São Paulo , o qual, ela pediu para guardar como suvenir … Rogerio Belda

Deixe uma resposta