Em greve geral pelo nono dia, Paris prioriza vagões de trens para mulheres e pessoas vulneráveis

Publicado em: 13 de dezembro de 2019

Companhia ferroviária que administra os trens suburbanos da capital francesas diz que medida visa proteger os mais frágeis

ALEXANDRE PELEGI

A França entrou nesta sexta-feira, 13 de dezembro de 2019, no nono dia de greve contra a reforma da previdência do presidente Emmanuel Macron.

O governo francês sinalizou dialogar com os manifestantes, mas os sindicatos rejeitaram qualquer possibilidade de tratativas.

Em declaração à rádio France Info, o secretário-geral da Confederação Geral do Trabalho (CGT), principal sindicato dos ferroviários, Laurent Brun, afirmou nesta quinta-feira, 12, que que o governo não dá o braço a torcer. Segundo o líder sindical, não haverá trégua de Natal.

No caos em que se transformou o transporte na região de Paris, a empresa ferroviária SNCF, companhia que administra os trens suburbanos da capital francesa, passou a dar prioridade nos vagões para mulheres, crianças e pessoas com deficiência.

A SNCF – Société Nationale des Chemins de fer Français é uma das principais empresas públicas francesas, encarregada da exploração comercial dos serviços de transporte ferroviário de passageiros e de mercadorias. A empresa afirmou que não impede a entrada de homens nos vagões, mas tem a preocupação de proteger “os mais vulneráveis”, categoria na qual inclui mulheres.

Em comunicado, a SNCF explica que com esta iniciativa “os responsáveis ​​pela segurança ferroviária estão colocando as pessoas mais vulneráveis, pessoas com crianças, mulheres sozinhas, pessoas com deficiência … nos primeiros vagões de trem em segurança, impedindo-os de cair no chão, de serem empurrados”.

Ainda segundo a nota, a SNCF garante que a medida não é uma política da empresa, mas uma iniciativa independente de agentes que tentam controlar o grande fluxo de passageiros agravados pela greve.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Com informações da Radio France Internationale

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Deixe uma resposta