Projeto da Câmara quer permitir circulação de motocicletas nas faixas exclusivas de ônibus

Publicado em: 11 de dezembro de 2019

Foto: Adamo Bazani

PL ressalva que motos não poderão trafegar nos períodos de pico durante os dias úteis

ALEXANDRE PELEGI

O Relator da Comissão de Constituição, Justiça e Legislação Participativa da Câmara de Vereadores de São Paulo julgou legal o Projeto de Lei (PL) nº 0059/19, de autoria do vereador Souza Santos, que autoriza a circulação de motocicletas nas faixas exclusivas de ônibus.

A matéria deverá agora ser votada pelo conjunto da CCJ, e na sequência seguirá para outras Comissões da Casa de Leis.

O PL faz uma distinção entre corredores de ônibus e faixas exclusivas, deixando claro que a medida está direcionada apenas a esta última modalidade.

“As faixas exclusivas diferem dos corredores exclusivos de ônibus. Os corredores geralmente se localizam à esquerda da via, contando com paradas no canteiro central. O desenho dos corredores privilegia a fluidez do tráfego, neutralizando intercorrências de transversalidade e assegurando que o compartilhamento com outros veículos ocorra com a menor frequência possível. As faixas exclusivas, por sua vez, são divididas com outros veículos em situações específicas, como conversões à direita e acesso a lotes lindeiros (entrada e saída de garagens). Contam com ativação variável de acordo com cada local, e têm os respectivos horários indicados por placas instaladas ao longo de cada trecho”.

A circulação das motos pelas faixas exclusivas de ônibus, segundo o PL, deverá obedecer aos horários estabelecidos em regulamento, “não podendo ocorrer nos períodos considerados de pico durante os dias uteis”.

Caberá à prefeitura, ainda segundo a proposta de lei, estabelecer os critérios e condições necessárias para efetivação da medida.

Na Justificativa, o vereador alega que no horário comercial, fora do horário de pico, observa-se a diminuição da frota de veículos nas vias comuns, “o que não acontece com relação às motocicletas que continuam a trafegar em grande e invariável quantidade durante todo o dia, pela própria natureza das suas atividades”.

Ao mesmo tempo, ele  alega que é visível uma redução da frota de ônibus nesses horários de menor movimento, o que justificaria compartilhar o espaço com as motocicletas.

PL0059-2019_faixas motosJPL0059-2019_faixas motosPL0059_CCJ_faixas motos

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Comentários

  1. JOSE LUIZ VILLAR COEDO disse:

    E por que não liberam logo os Camelôs e Marreteiros e afins… a estender suas lonas e montar suas barracas no meio do asfalto das Faixas para Ônibus logo e uma vez, como JÁ o fazem no Brás e Pq. Dom Pedro II, tudo no pleno Centro da Cidade… ???!! ora…! Brincadeira hein! Liberam tudo! Ai um desses coitados desses motoqueiros é atingido por um ônibus ou até por um taxi … dirigido por outros coitados… e com coitados a bordo… e a culpa será de quem ?! Claro que não será dos Vereadores e muito menos do Prefeito que estiver no cargo! Poupem-nos! Vereadores! Cobrem da Prefeitura os nao sei quantos KMs DE Corredores de Ônibus primetidos desde os dias do Kassab… ok!!!

  2. Daniel Ramos de Oliveira disse:

    Virou uma banalidade essas faixas exclusivas de ônibus, as motocicletas são veículos pequenos e ágeis, qual a necessidade do uso desses espaços por esses veiculos? Projeto notoriamente eleitoreiro, que pode colocar diversas vidas em risco.

  3. João Luís Garcia disse:

    Um verdadeiro absurdo
    Aliás mais um dos tantos que a nossa Câmara dos vereadores da cidade de São Paulo tem a coragem de levar a plenário
    Corredores são para o transporte público (ônibus)
    Hoje já temos os táxis circulando pelos corredores que pouco contribuem para a circulação da população e ainda em alguns casos causam atrasos aos ônibus
    Vamos esperar que a Comissão de Viação e Transportes não deixe esse absurdo ser levado a votação
    Será que o vereador que propôs esse absurdo sabe o que é um plano de mobilidade ?

  4. Esse vereadorzinho, deve ser novato por lá…e é bem claro que sendo vereador, agora tem carro oficial, daí não pegar coletivo , para ir na CMSP…deve ser isso

  5. Alfredo disse:

    Idéia demagogica, já basta os taxistas enchendo o saco e a falta de fiscalização da CET e PM do Trânsito, que sumiram, exemplo é a Avenida Aricanduva, ainda vem esse vereador com mais um projeto absurdo, se Ele utilizar o transporte público e não seu carrão oficial, vai descobrir o quanto sofre o povo e os motoristas de ônibus com veículos particulares nas faixas, alo prefeito, comece a fazer alguma coisa em favor dos condutores de ônibus, logo virá a eleição e o sr tá muito mal visto pela classe, vereadores também devem começar a trabalhar mais em favor da maioria

  6. MARCIA LARA disse:

    Foi feito algum estudo por engenheiro de tráfego; alguma pesquisa para saber o que a população acha; os motoqueiros não tem muita disciplina, isso não colocaria em risco a vida do motoqueiro e dos demais ? Para um projeto ser criado é preciso um trabalho de campo complexo, evitando maiores transtornos para a população.

Deixe uma resposta