Curitiba implanta tarifa reduzida em mais cinco linhas de ônibus a partir desta terça

Publicado em: 2 de dezembro de 2019

Mais cinco linhas de ônibus terão a tarifa reduzida fora do horário de pico a partir desta terça-feira (3/12). Foto: Pedro Ribas/SMCS

Valor R$ 1 mais barato é exclusivo para pagamento com cartão-transporte usuário

JESSICA MARQUES

A Prefeitura de Curitiba, no Paraná, informou por meio de nota que mais cinco linhas de ônibus terão a tarifa reduzida fora do horário de pico a partir desta terça-feira, 03 de dezembro de 2019. As linhas escolhidas foram 661 – V. Lindóia; 662 – Dom Ático; 666 – Novo Mundo; 860 – V. Sandra; e 870 – São Braz, que juntas têm um fluxo de 31,1 mil pessoas por dia.

A tarifa reduzida, é de R$ 3,50, ou seja, R$ 1 mais barata que a normal, e vai valer das 9h às 11h e das 14h às 16h e para pagamento exclusivo com o cartão-transporte usuário.

Mesmo em linhas em que há cobrador – como é o caso da 860 – V. Sandra e 870 – São Braz – a tarifa reduzida só valerá para quem pagar com o cartão usuário. Em dinheiro, o valor da passagem será o normal, de R$ 4,50″, esclareceu a Prefeitura, em nota.

OUTRAS LINHAS

Em outubro, a Urbanização de Curitiba (Urbs) havia adotado o modelo de tarifa reduzida em seis linhas em horários de menor movimento: 212 – Solar; 213 – São João; 214 – Tingui; 265 – Ahú-Los Angeles; 461 – Santa Bárbara; e 965 – São Bernardo.

Relembre:https://diariodotransporte.com.br/2019/10/15/tarifa-reduzida-em-curitiba-comeca-a-valer-para-seis-linhas-de-onibus-nesta-quarta-feira/

O objetivo da Prefeitura é implantar gradativamente a tarifa reduzida em mais linhas de ônibus. Ao todo 17 linhas deverão oferecer o benefício ao passageiro. Até agora já foram 11, conforme informado por meio de nota.

Vamos avaliar o desempenho dessas linhas, se houver adesão manteremos a estratégia e vamos ampliando gradativamente”, disse o presidente da Urbs, Ogeny Pedro Maia Neto.

Segundo a Prefeitura, a tarifa reduzida deve resultar também em diminuição da demanda nos horários de pico, o que “pode gerar mais conforto para os usuários.”

As linhas escolhidas cruzam muitos bairros, têm um bom volume de passageiros e uma diferença acentuada entre o número de usuários no horário de pico e fora dele.”

Todas estas linhas têm queda média de 21% a 27% nos horários entre picos, enquanto a queda média do sistema total é de 18%.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Deixe uma resposta