Gestão Covas anuncia investimentos de R$ 500 milhões em recapeamento, com prioridade para vias de ônibus

Publicado em: 21 de novembro de 2019

Avenidas danificadas, bocas de lobo, sarjetas e guias estão nos planos do novo programa

Meta é de recuperação de 3,2 milhões de metros quadrados de vias públicas até o fim de 2020. Agente financeiro da operação de crédito é o Banco Itaú

ADAMO BAZANI

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, anunciou nesta quinta-feira, 21 de agosto de 2019, contratação de operação de crédito no valor de R$ 500 milhões para o financiamento do Programa de Recapeamento das cidade.

A assinatura ocorreu nesta quinta-feira também e o objetivo, segundo nota da prefeitura, é recapear 3,2 milhões de metros quadrados de vias públicas até o fim de 2020.

O agente financeiro é o Banco Itaú.

Em nota, a prefeitura explica que três instituições financeiras apresentaram propostas e que o prazo para amortização do crédito é de sete anos.

A Prefeitura de São Paulo recebeu propostas de financiamento de três instituições financeiras, sendo a oferta do Banco Itaú a mais vantajosa de acordo com o ranking de Custo Efetivo Total (CET). Com garantia da União, a operação de crédito assinada tem prazo de carência de um ano e sete anos para ser amortizada.

As primeiras ordens de serviço começam em dezembro e as intervenções serão gradativas.

Segundo o prefeito, a intenção é fazer os trabalhos durante a madrugada, mas em alguns pontos, as obras serão durante o dia e podem trazer impactos no trânsito.

ÔNIBUS E GUIAS:

As vias por onde passam ônibus devem ser priorizadas nos trabalhos.

Por meio de nota, Bruno Covas diz que os serviços vão incluir guias e sarjetas para aumentar a durabilidade dos serviços.

“Se é feito o recape sem refazer guia e sarjeta você tem a entrada da água por baixo do asfalto e, desta forma, o trabalho precisará ser refeito em poucos meses. O que deveria durar anos acaba durando meses”, afirmou.

Segundo a nota da prefeitura, com o aumento da durabilidade dos serviços, futuramente haverá menos gastos em reparos emergenciais e em operações “tapa-buraco”.

Os contratos para execução das intervenções de recapeamento já estão sendo assinados e a ordens de serviço começam a partir de dezembro. As ações serão feitas gradativamente para cidade não parar por conta das obras.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Comentários

  1. Rodrigo Zika! disse:

    Finalmente alguma coisa útil esse ano.

Deixe uma resposta