São José dos Campos conclui julgamento das propostas para auditoria nos contratos das empresas de ônibus

Publicado em: 2 de novembro de 2019

Em abril deste ano, 20 ônibus zero km substituíram carros da Expresso Maringá do Vale, uma das empresas que atuam na cidade. Foto: Divulgação

Maciel Consultores obteve nota superior à da concorrente Deloitte Touche Tohmatsu, que impetrou recurso contra a decisão

ALEXANDRE PELEGI

A prefeitura de São José dos Campos, no interior paulista, realizou como previsto no dia 16 de outubro de 2019, a abertura dos envelopes da licitação para a contratação de uma auditoria independente nos contratos do município com as empresas de ônibus. Além disso, a empresa escolhida deverá verificar se os dados de custos e de quantidade de passageiros informados pelas três viações que operam na cidade são reais ou se há alguma distorção.

Duas empresas estavam classificadas: Deloitte Touche Tohmatsu Consultores Ltda e Maciel Consultores S/S Ltda.

Após a abertura das propostas técnicas, a Comissão de Licitação decidiu realizar o julgamento no dia 23 de outubro. Segundo a Ata do certame divulgada no site da prefeitura, a proposta técnica da Maciel Consultores teve pontuação de 72,5 pontos, superior à da Deloitte, que obteve 52,5 pontos.

SJ_Campos_ata_julgamento_de_proposta_tecnica_23out19.jpg

No Diário Oficial deste sábado, 02 de novembro de 2019, a prefeitura registrou o recurso impetrado pela Deloitte contra o resultado da concorrência, realizado dentro do prazo previsto. Agora passa a correr o prazo de 05 dias úteis para impugnação.

deloitte recurso doe.png

deloitte recurso limite.png

HISTÓRICO

O processo de licitação para a contratação de uma auditoria para o sistema de transporte coletivo pela prefeitura de São José dos Campos vem desde abril de 2019.

O objetivo é contratar uma empresa independente que verifique a real situação das finanças das empresas de transportes e de todo o sistema, após diversas contestações sobre a qualidade dos serviços, nível de investimentos das viações e sobre o valor da tarifa municipal. Relembre: São José dos Campos lança edital para auditoria dos contratos de concessão do transporte coletivo

Após o processo ter iniciado, a prefeitura anulou a licitação no dia 23 de julho de 2019.

Tinham sido habitadas as empresas de auditoria Deloitte Tohmatsu Consultores Ltda e Maciel Consultores S/S Ltda., mas houve recurso por parte da empresa Maciel e contrarrecurso da Deloitte. Relembre: São José dos Campos anula licitação de empresa que iria verificar contas do sistema de ônibus

Finalmente, e após fazer alterações no edital da concorrência, a licitação foi retomada conforme aviso publicado no dia 14 de agosto de 2019, com data para a apresentação das propostas marcada para o dia 30 de setembro. Relembre: São José dos Campos retoma licitação para auditoria em contratos com empresas de ônibus

No dia 04 de outubro, a Comissão de Licitações divulgou que ficaram habilitadas no certame as empresas Deloitte Touche Tohmatsu Consultores Ltda e Maciel Consultores S/S Ltda, após avaliação dos documentos.

Nova concessão

Após mais de 10 anos de concessão, os contratos com as três empresas que operam atualmente o sistema de transporte de São José dos Campos caminham para a fase final.

A publicação do edital de licitação para a nova concorrência do transporte público está prevista para ainda para este segundo semestre de 2019.

São José dos Campos, maior cidade do Vale do Paraíba, em São Paulo, tem atualmente um sistema de transporte público coletivo operado por três empresas – CS Brasil, Expresso Maringá e Saens Peña.

Sistema atual

Empresas que operam na cidade:

CS Brasil

Expresso Maringá

Saens Peña

Linhas: 103

Frota: 388 ônibus

Total de passageiros transportados em 2018: 7.033.998

Passageiros pagantes transportados em 2018: 3.748.225

Nas 103 linhas do atual sistema de transporte de São José dos Campos, a Saens Peña opera em 33 linhas, a Julio Simões em outras 33 e a Expresso Maringá em 37.

Além do transporte coletivo comum, São José possui também regulamentação do transporte alternativo, que opera por meio de 78 permissões distribuídas em 16 linhas que concorrem diretamente com o transporte convencional por ônibus.

A bilhetagem eletrônica possui integração gratuita ao utilizar no máximo quatro ônibus no período de duas horas seguintes ao instante da primeira validação do bilhete.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:

Comentários

  1. Sah Thera disse:

    Tudo conforme previsto…. enquanto isso o transporte em SJC continua esse caus, ônibus lotados, demora em passar uma linha, depois passa 2 ou 3 da mesma linha juntos por falta de organização. Por que será que brigam tanto na concessão se depois dizem que o valor da passagem é baixo para cobrir os gastos? Afinal que gastos são esses pois para o povo trabalhador o valor é extremamente alto.

  2. Paulo Gil disse:

    Amigos, bom dia.

    Por isso que o BarslLei não vai pra frente.

    Quaaaaaaaaaaaaaaannnnnnnnnnnnnnnnnnnto desperdício de dinheiro do contribuinte.

    Para que servem os departamentos financeiro, contabilidade e jurídico das Prefeituras?

    Eu duvido que as prefeituras não tem capacidade de auditar contrato de buzão; em especial prefeitura de São José dos Campos e demais prefeituras de cidades de grande porte.

    Se querem que o BarsiLei funcione, então é melhor fechar todas as prefeituras; pois diante do estamos vendo na área do buzão as prefeituras de NADA servem; afinal não connseguem licitar o buzão e muito menos auditar.

    Portanto as próprias prefeituras estão atestando a sua INCAPACIDADE; inclusive SAMPA.

    Agora eu pergunto:

    É de reforma da previdência que o BarsiLei precisa?

    É óbvio que não.

    se o BarsiLei continuar sendo “INGERIDO” com está, não há reforma da previdência que sustente nenhuma prEvidência; quiça o buzão do Barsil.

    MUDA BARSILEI.

    Att,

    Paulo Gil

  3. Rafael disse:

    Poderia fazer auditoria para realmente verificar a necessidade de haver a estação ECO Campos de São José, esta atrasa a vida de quem mora nos bairros diferentes do Campos de São José, pois há de fazer filas para adentrar aos ônibus e o trabalhador deve acordar mais cedo para garantir chegar no serviço e ainda tem que chegar ao trabalho em pé nos ônibus, ao invés de descer na estação poderia retornar a linha direta do bairro ao centro. Lamentável esta estação, a única em São José dos Campos, atrasa a vida dos trabalhadores e ofende a inteligência.

  4. Adilson modesto disse:

    Sistema de transporte arcaico..porque n copiam como fazem na Europa …onde o transporte é levado a sério tirando centenas de carros das ruas melhorando a qualidade das vias .

Deixe uma resposta