Rodoviários da Transvitória decretam estado de greve em transporte coletivo de Alumínio (SP)

Publicado em: 15 de outubro de 2019

Greve pode ter início a partir desta quinta-feira. Foto: Divulgação / Sindicato dos Rodoviários.

Empresa assumiu operação em caráter emergencial no início de outubro

JESSICA MARQUES

O Sindicato dos Rodoviários de Sorocaba e Região protocolaram uma notificação de greve na empresa Transvitória, responsável pelo transporte coletivo de Alumínio, no interior de São Paulo.

A empresa assumiu a operação em caráter emergencial no início de outubro, conforme noticiado pelo Diário do Transporte.

Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2019/10/01/prefeitura-de-aluminio-sp-contrata-empresa-para-operar-transporte-coletivo-por-90-dias/

O sindicato protocolou a notificação de greve na empresa na tarde desta segunda-feira, 14 de outubro de 2019. O comunicado também foi enviado à Prefeitura Municipal de Alumínio e à Câmara de Vereadores do município, segundo a categoria.

De acordo com o sindicato, a paralisação terá início após 72 horas da notificação, conforme determina a lei de greve em serviços essenciais, ou seja, a partir de quinta-feira. O Sindicato dos Rodoviários informou que manterá 30% da frota em operação nos dias de greve.

“A notificação de greve foi necessária porque a Transvitória se recusa a assinar o acordo coletivo de trabalho da categoria, não absorveu a mão de obra da empresa anterior – 12 trabalhadores operavam as mesmas linhas pela empresa Jundiá Transportes, que não renovou a concessão do serviço -, não possui controle de jornada de trabalho, mantém trabalhadores sem registro em carteira profissional (CTPS) e disponibiliza uma frota de veículos extremamente precária e sem manutenção, o que inviabiliza as condições mínimas de trabalho e coloca em risco a segurança dos trabalhadores e dos passageiros”, informou o sindicato, em nota.

Também em nota, o sindicato listou diversos problemas identificados pelos rodoviários após o início da operação da empresa na cidade. Confira:

“A troca de empresa responsável pelo transporte urbano em Alumínio foi conturbada desde o início. Diferentemente do que acontece em outros municípios, o prefeito de Alumínio revelou o nome da empresa que assumiria em caráter emergencial apenas três dias antes do vencimento do contrato de concessão da empresa Jundiá Transportes.

O que dificultou as tratativas trabalhistas para assegurar o emprego dos trabalhadores na nova empresa e também criou problemas para a população, visto que os motoristas da Jundiá eram os que tinham conhecimento dos trajetos das linhas do transporte urbano em Alumínio.

Além dos problemas trabalhistas, a empresa não colocou uma frota de ônibus adequada para atender a população, o que gerou diversos acidentes nesses primeiros 15 dias de operação da Transitória, quebras de veículos, atrasos nos horários dos ônibus e um descontentamento generalizado na cidade.”

O transporte urbano de Alumínio estava sendo operado até então pela empresa Jundiá Transportadora Turística Ltda, mediante contrato de concessão assinado em 26 de setembro de 2011. Em 30 de setembro, o contrato se encerrou e a licitação está suspensa na cidade.

VIAÇÃO SÃO ROQUE

72545676_2593969227292702_6401690510360051712_o

Os trabalhadores estão de braços cruzados desde 21 de setembro. Foto: Divulgação / Sindicato dos Rodoviários.

O Sindicato dos Rodoviários de Sorocaba e Região também abrange os trabalhadores da Viação São Roque, que estão em greve há 22 dias. As tentativas de acordo entre as partes não foram produtivas, portanto, a paralisação continua.

A terceira audiência de conciliação foi realizada nesta quinta-feira, 10 de outubro de 2019, no Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, em Campinas, no interior de São Paulo.

Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2019/10/10/sem-acordo-greve-na-viacao-sao-roque-continua/

A Viação São Roque, cujos funcionários estão em greve, é responsável pelo transporte intermunicipal de passageiros de São Roque, Alumínio, Mairinque e Ibiúna, na Região Metropolitana de Sorocaba, no estado de São Paulo. Os trabalhadores estão de braços cruzados desde 21 de setembro.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Deixe uma resposta