Sindicato dos motoristas e cobradores de São Paulo orienta trabalhadores a recusarem o PDV . Via Sudeste nega

Publicado em: 9 de outubro de 2019

Segundo a categoria, empresas já estão enviando propostas aos rodoviários.  Sindicato de viações ainda diz que não há PDV ou programas semelhantes em nenhuma companhia da capital paulista

JESSICA MARQUES

Edição: Adamo Bazani

O Sindmotoristas (Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo) está orientando os rodoviários a não aceitarem o PDV (Programa de Demissão Voluntária).

A empresa de ônibus negou a informação veiculada na página oficial na internet da entidade trabalhista. (veja abaixo)

Segundo a entidade, em um comunicado no seu site oficial aos funcionários no, a direção da Via Sudeste Transporte já está propondo a adesão ao PDV e outras empresas de ônibus também já sinalizam que deverão adotar essa mesma medida.

“A proposta promete beneficiar as partes envolvidas. Para o profissional que aceitar a demissão espontânea a empresa pagará todos os direitos trabalhistas. Mas não se iluda, o patrão não ficou ‘bonzinho’ de uma hora pra outra, a intenção é diminuir os gastos com funcionários sob a alegação de que houve desativação de algumas linhas de ônibus.
A princípio, o trabalhador pode se sentir seduzido pelo PDV, afinal passar as festas de fim de ano com dinheiro extra no bolso é sempre bom”, informou o sindicato, em nota.

“Mas, e depois? A dura realidade do país vai bater na sua porta. Com a extinção de postos de trabalho, retornar ao sistema de transporte público será difícil, quase impossível. Você, então, vai se somar aos 12 milhões de desempregados ou, na melhor das hipóteses, submeter-se ao subemprego: sem registro, sem garantias trabalhistas e salário baixo que mal dá para sobreviver”, continuou.

O Sindmotoristas também informou que orienta os trabalhadores a não “caírem nessa armadilha”.

O deputado federal e presidente licenciado do Sindmotoristas, Valdevan Noventa, afirmou, na mesma nota, que considera a medida um novo ataque à categoria, e determinou que os diretores intensifiquem a presença nas garagens e orientem os trabalhadores a não aceitarem a demissão voluntária.

“Todos os dias recebo pedidos de companheiros de profissão e amigos que desejam uma oportunidade de emprego. Pessoas, muitas delas arrependidas por atitudes impensadas no passado, que dariam tudo para estar trabalhando em uma empresa de ônibus, com todas as garantias trabalhistas previstas na Convenção Coletiva de Trabalho”, declarou Noventa.

O deputado afirmou ainda que a categoria deve manter-se unida para assegurar emprego e outros direitos.

“Impedimos na luta a Reforma Trabalhista em nosso meio e, assim, faremos para impedir outras maldades. Programa de Demissão Voluntária. Aqui, não”, afirmou, também em nota, o presidente em exercício do Sindmotoristas, Valmir Santana da Paz.

VIA SUDESTE E SPURBBANUSS NEGAM:

A empresa de ônibus Via Sudeste, que atua em parte dos subsistemas estrutural e de articulação regional na cidade de São Paulo, negou na tarde desta quarta-feira, 09 de outubro de 2019, que tenha aberto um PDV – Programa de Demissão Voluntária ou que propôs que os funcionários aderissem a algum outro tipo de desligamento.

A informação constava no site oficial do Sindmotoristas, sindicato dos motoristas, cobradores e demais funcionários dos transportes municipais da capital paulista.

A empresa de ônibus, em uma nota por meio do SPUrbanuss, sindicato que reúne as viações, ainda disse que a informação trouxe insegurança para alguns funcionários. Além de negar o PDV, a Via Sudeste informou que continua operando normalmente as linhas e a frota.

Veja na íntegra:

A empresa Via Sudeste – por meio do SPUrbanuss – Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de São Paulo informa que não procede a informação divulgada pelo SindMotoristas – Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo de que a empresa “está propondo, em comunicado, a adesão dos seus empregados ao Programa de Demissão Voluntária.”

A empresa acrescenta que desconhece as razões dessa divulgação inverídica, que traz intranquilidade aos empregados no exercício de suas funções, e que continua mantendo normalmente a operação de sua frota e linhas.

O SPUrbanuss ainda acrescentou que no momento, não há PDV ou qualquer programa semelhante em nenhuma empresa de ônibus dos subsistemas de articulação regional e estrutural.

Confira a publicação, na íntegra, no site do SindMotoristas:

Em setembro deste ano, a categoria realizou uma paralisação no centro de São Paulo para cobrar o pagamento da PLR (Participação dos Lucros e Resultados) e ainda um posicionamento da Prefeitura com relação ao futuro dos cobradores no sistema.

Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2019/09/05/manifestacoes-de-motoristas-e-cobradores-afetam-circulacao-de-onibus-em-terminais-de-sao-paulo/

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Comentários

  1. JOSE LUIZ VILLAR COEDO disse:

    Que Deus Se Apiede de nós! Essas mudanças nos transportes sobre pneus de muitas Cidades, principalmente São Paulo-SP produzirá muitos mais desempregados! Que situação terrível ! Principalmente a dos Cobradores dos Ônibus!

Deixe uma resposta