Rodoviários rejeitam proposta da empresa e greve continua na Viação São Roque

Publicado em: 8 de outubro de 2019

Deliberação ocorreu em assembleias realizadas ao longo desta segunda-feira. Foto: Divulgação / Sindicato dos rodoviários.

Trabalhadores estão de braços cruzados há 18 dias

JESSICA MARQUES

Em assembleia, os rodoviários rejeitaram a proposta da Viação São Roque de parcelar o pagamento do tíquete-refeição, das férias e da participação nos lucros e resultados (PLR) que estão em atraso e decidiram continuar em greve. Os trabalhadores estão de braços cruzados há 18 dias.

A empresa é responsável pelo transporte intermunicipal de passageiros de São Roque, Alumínio, Mairinque e Ibiúna, na Região Metropolitana de Sorocaba, no estado de São Paulo, e os trabalhadores estão em greve desde 21 de setembro.

A deliberação ocorreu em assembleias realizadas ao longo desta segunda-feira, 07 de outubro de 2019, na subsede do Sindicato dos Rodoviários de Sorocaba e Região em São Roque.

Segundo a categoria, a Viação São Roque propôs em audiência de conciliação realizada no dia 03 de outubro, no Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, em Campinas, pagar a PLR e as férias em dobro em dez parcelas, com vencimento todo dia 30, começando no mês de novembro, e pagar o tíquete-refeição de setembro no dia 15 de outubro e o tíquete-refeição de outubro no dia 30 do mesmo mês.

O Sindicato dos Rodoviários se comprometeu a colocar essa proposta para votação da categoria, o que foi realizado. Contudo, a proposta foi rejeitada.

“Como a empresa tem histórico de descumprimento de acordo, os trabalhadores têm receio em aceitar essa proposta de parcelamento. O último acordo firmado com a Viação São Roque para pagar as férias, PLR, FGTS e INSS atrasados ocorreu no mês de maio deste ano e a empresa não cumpriu”, justificou o sindicato dos rodoviários, em nota.

“Os trabalhadores perderam a confiança na empresa porque a mesma não cumpre com o que assina, mesmo com o que assina perante a Justiça. Esse é o motivo real deste impasse. Que segurança a empresa pode dar aos trabalhadores de que realmente irá pagar esses direitos e que não irá atrasar mais nenhum pagamento?”, explicou, também em nota, o diretor do sindicato Adalberto de Souza Carvalho, Dadá.

Também segundo os trabalhadores, além do tíquete-refeição, férias e PLR, a Viação São Roque reconheceu perante a desembargadora Olga Aida Joaquim Gomieri, do TRT-15ª, que não recolhe FGTS e INSS corretamente.

Uma nova audiência de conciliação está marcada para a próxima quinta-feira, 10 de outubro, no TRT-15ª, em Campinas. Durante a reunião, os trabalhadores devem apresentar o que foi decidido em assembleia para a desembargadora e representantes da Viação São Roque.

“Até essa data os trabalhadores irão continuar em greve, cumprindo a liminar determinada pela Justiça do Trabalho que determina 70% da frota em circulação em horário de pico, das 5h às 8h e das 16h às 20h, e 50% nos demais horários, desde que a empresa disponibilize ônibus em condições adequadas para operar no sistema”, informou o sindicato dos rodoviários.

Leia também: Após proposta da Viação São Roque, rodoviários marcam assembleia para segunda-feira

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Deixe uma resposta