Dibracam, da Volkswagen, vende 36 ônibus padrons para a Gatusa de São Paulo

Publicado em: 6 de outubro de 2019

Chassi é o 18.280, de piso baixo, com carroceria Caio Millennium

ADAMO BAZANI

A empresa Viação Gatusa, que atende ao lote estrutural E 9, correspondente à zona Oeste da cidade de São Paulo, comprou 39 ônibus zero quilômetro da marca Volkswagen.

A maior parte das unidades já foi entregue.

A informação é da Dibracam, representante da montadora.

Os 39 ônibus são do modelo de chassi 18.280-OTLE, de motor traseiro.

Os veículos têm sistema de “ajoelhamento” (kneeling), que reduz a altura entre o assoalho do ônibus e o solo para facilitar o embarque e desembarque dos passageiros.

O sistema de freios tem as tecnologias ABS (Antiblockier-Bremssystem ou Anti-lock Braking System), que evita o travamento das rodas, e EBD (Eletronic Brake Distribution), que distribuiu melhor a força de frenagem nas rodas e eixos, de acordo com o momento de risco e trabalha em conjunto com o ABS.

O motor é o MAN DZ8 de 280 cavalos que, segundo a Volkswagen, tem a maior potência da categoria Padron de motorização traseira.  O câmbio é automático ZF Ecolife de 06 marchas com retarder, que é um sistema de freio auxiliar hidráulico que funciona em conjunto com os freios motor e de serviço e em compatibilidade com as marchas.

Para seguir os atuais padrões de redução de emissões Euro V – Proconve P7, que é a fase sete do Proconve – Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos, do Conama – Conselho Nacional do Meio Ambiente, o motor utiliza a tecnologia EGR (Exhaust Gas Recirculation -Recirculação de Gases de Exaustão), que dispensa a utilização do ARLA 32, um agente redutor líquido automotivo com 32,5% de ureia industrial.

A carroceria é Caio Millennium IV, com 13,2 metros de comprimento, seguindo os padrões determinados pela SPTrans – São Paulo Transporte, gerenciadora do sistema de ônibus da cidade de São Paulo.

Entre os itens estão ar-condicionado; vidros colados; poltronas específicas para idosos, pessoas com deficiência, gestantes e pessoas que estão se recuperando de procedimentos médicos; preparação para acesso à internet por wi-fi e carregadores USB para celulares e notebooks.

Por ser de piso baixo, o acesso de cadeiras de rodas e outros equipamentos de locomoção se dá por uma rampa que é acionada manualmente pelo motorista ou cobrador.

A cidade de São Paulo possui uma frota contratada de 14.024 ônibus, de acordo com dados da SPTrans de agosto de 2019.

A idade média nos subsistemas estrutural e de articulação regional, composto pelas empresas consideradas mais tradicionais na cidade, é de 5 anos e 5 meses.

Já no subsistema local, formado pelas empresas que surgiram de cooperativas de transporte, a idade média é de 4 anos e 10 meses.

Os dados das idades médias também são da SPTrans, referentes a agosto.

Com as assinaturas dos novos contratos de 15 anos, que ocorreu no dia 06 de setembro de 2019, após um processo de licitação que se arrastava desde 2013, a estimativa da prefeitura de São Paulo é que a renovação de frota se intensifique, inclusive com a entrada gradual de modelos com tração alternativa ao diesel para cumprir cláusulas dos contratos e a lei municipal que prevê reduções de emissões por ônibus urbanos e caminhões de serviços públicos, como de coleta de lixo.

Pela lei sancionada no início de 2018, após um ano de intensos debates na Câmara Municipal, em 2027, as emissões de CO2 (gás carbônico) devem ser 50% menores e zeradas em 2037. Já as reduções de MP (materiais particulados) devem ser de 90% até 2027 e de 95% em 2037. As emissões de Óxidos de Nitrogênio devem ser reduzidas em 80% até 2027 e em 95% até o ano de 2037.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Comentários

  1. pedrosantos disse:

    Ótima aquisição melhor que os volvo e MB pq este não usa Arla32

  2. Rodrigo Zika! disse:

    Noticia boa por ser um motor diferente.

  3. Pedro disse:

    Eu não acredito que a media seja de 5 anos, pelo que vejo mais de 90% do ônibus da zona leste tem entre 8 a 11 anos.

    1. Rodrigo Zika! disse:

      Cara você sempre comenta aqui falando como se a Vip área 3 vulgo Metrópole Paulista só tivesse ônibus ruins, a frota de super articulados dela a maioria e com AC e novos, os PBDs ML IV são novos nas 3 garagens, só a garagem 1 que possui mais quantidades claro, fora isso os cabritos de motores dianteiros são recentes as fabricações entre Apache Vip II e III, que agora que aprovou a licitação, certamente os mais antigos serão substituídos junto com os PBDs ML II mais antigos, a empresa Express que hoje ta cheia de PBDs ML IV e com uns articulados Mondegos repassados e bem velhos da VCB, a uns 6 anos atrás era a pior empresa da ZL com outro nome ainda, ônibus quebrando a todo momento, intervalos altíssimos, e na época a SPTrans fingia não ver nada uma piada, depois que a Vip 3 assumiu melhorou bastante após criarem novas linhas pra região, o serviço não esta maravilho mas já e algo, só vai melhorar quem sabe um dia algum prefeito acorde, e licite um corredor BRT decente pra Radial Leste, ai sim as linhas irão melhorar os intervalos quem saem do fundão.

      1. Pedro disse:

        Cara os articulados fazem apenas linhas especiais, que poderiam ser feitas por outras empresas, foi uma determinação e patrocinada pela prefeitura, e muitos desses articuladões estão bem sucateados, principalmente os mais velhos, e a empresa recebe muito bem por esse serviço, fora esses articulados o restante da frota e velha sim, e muito difícil alguém ver um ônibus padrão da VIP novo, so linhas que atendem lugares como Pinheiros e Butantã, na zona leste e quase zero, já as empresas como as antigas cooperativas já tem uma frota nova bem maior, inclusive algumas linhas do metro carrão as antigas cooperativas renovarão quase que toda sua frota, a VIP so velharia (exemplo a linha 407K) não tem um único ônibus novo, inclusive a Express que e uma empresa que não respeita horários passa 2 ônibus por hora, e ninguem explica como ainda esta prestando serviço em SP tem mais ônibus novos que a VIP, proporcionalmente, a VIP pelo tamanho deveria ser referencia em renovação de frota, veja o exemplo da viação gato preto você não ve ônibus com painel e tampa de portas quebradas, os ônibus são limpos eles chegam a trocar os bancos dos ônibus mais velhos para dar mais conforto aos passageiros, até os ônibus mais velhos deles parecem mais novos devido a manutenção, mas este pessimo serviços e patrocinado por essas prefeituras que ve o povo apenas como gado eleitoreiro e que em vespera de eleições voltam com as mesma mentiras de que tudo vai melhorar, depois ficam perseguindo aplicativos para que a população não tenha opção de transporte, essa e minha opinião como diz o ditado se ninguem reclamar fica do jeito que tá.

Deixe uma resposta para Pedro Cancelar resposta