Arena ANTP: Guia reúne ações para melhorar o transporte por ônibus em todo o País

Documento será lançado no dia 24 em evento sobre mobilidade que ocorre na capital paulista e aborda aspectos que vão desde a qualidade dos veículos até a estruturação das redes de linhas, passando por planilhas e tarifas

ADAMO BAZANI

A ANTP – Associação Nacional de Transportes Públicos vai lançar no próximo dia 24 de setembro de 2019, em São Paulo, um guia com diversas ações de gestão e operação que podem melhorar os serviços de ônibus em todo o País.

Com o título “Guia Básico de Gestão Operacional para Melhoria da Qualidade do Serviço de Ônibus”, os conceitos relacionados no documento de 188 páginas foram elaborados após estudos dos técnicos que integram a ANTP com base na análise da realidade dos transportes das principais cidades brasileiras e do conhecimento acadêmico e internacional que possuem.

O lançamento ocorre na Arena ANTP, evento que vai reunir especialistas e os diversos agentes envolvidos na mobilidade, nos dias 24, 25 e 26 de setembro no Pavilhão C do Transamérica Expo Center, que fica na Av. Dr. Mário Villas Boas Rodrigues, 387, em Santo Amaro, na zona Sul da capital paulista. Veja aqui a programação completa do evento, cujas inscrições são gratuitas: https://www.arenaantp.com/programacao

No dia 25, às 10 hrs, no Auditório 7, Claudio de Senna Frederico, Vice-Presidente da ANTP, ex-Secretário Metropolitano de Transporte do Estado de São Paulo e consultor de transporte, fará uma explanação sobre o conteúdo do Guia. Nesta seção, os participantes poderão adquirir gratuitamente a versão impressa do material.

O documento aborda diversos aspectos que vão desde a qualidade dos veículos, passando por planilhas e tarifas, capacitação pessoal e comunicação no setor até a estruturação de redes de transportes dentro do atual contexto de mobilidade.

Nos últimos anos, os ônibus têm perdido uma quantidade expressiva de passageiros.

De acordo com levantamento da NTU – Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos, somente entre abril de 2018 e abril de 2019, a queda da demanda foi de 4,3%, o que representa 12,5 milhões de passageiros a menos nos coletivos urbanos e metropolitanos.

Em alguns sistemas, no entanto, nos últimos 20 anos, a perda de passageiros foi de quase 40%.

Relembre:

Empresas de ônibus perderam 12,5 milhões de passageiros em um ano no Brasil, diz anuário da NTU

Essa demanda, em sua maioria, migra para o transporte individual, seja particular ou por aplicativos. Os resultados têm sido os piores possíveis para as cidades, segundo especialistas em mobilidade, com mais trânsito e poluição.

A melhor maneira de mudar este quadro é tornar os serviços de ônibus atrativos novamente e isso só é possível ampliando a qualidade do atendimento à população, cujas exigências não são mais as mesmas que de dez anos atrás.

Segundo a ANTP, o Guia Básico de Gestão Operacional para Melhoria da Qualidade do Serviço de Ônibus procura abordar o tema de maneira simplificada e didática para todos os envolvidos na mobilidade, afinal, todos têm sua responsabilidade. O Guia defende que “é mais do que necessário que o gestor público adicione ao papel histórico de ‘fiscal de contratos’ também o de ‘gerente de qualidade e produção do transporte’. Só assim, será possível imaginar alcançar este enorme desafio de mudar a cara do transporte por ônibus no Brasil”, defende a Associação.

Na apresentação do documento, a que o Diário do Transporte teve acesso, o dirigentes da ANTP – Ailton Brasiliense Pires, presidente, e Luiz Carlos Mantovani Néspoli, superintendente – definem que o Guia tem por finalidade “oferecer aos gestores públicos e privados um elenco de informações técnicas, conceitos, normas, procedimentos e sistemas de gestão e administração que compõem os elementos constituintes da produção do transporte público por ônibus e que podem contribuir para o desenvolvimento do papel do gestor público no desafio de suprir sua cidade de transporte público por ônibus com mais eficiência e melhor qualidade”.

Ainda segundo a Associação, a proposta do Guia é uma das formas pela qual a Associação dá sequência às ideias apresentadas no documento “Construindo Hoje o Amanhã – Propostas para o Transporte Público da Mobilidade Urbana Sustentável no Brasil”, realizado em parceria com a NTU, Fórum Nacional de Secretários de Mobilidade e a FNP – Frente Nacional de Prefeitos, que contempla cinco programas para a melhoria da qualidade do transporte por ônibus, disponível no link: http://files.antp.org.br/2019/7/2/construindo-o-amanha_web_erratas.pdf.

Assim, o manual é voltado para gestores públicos, setor acadêmico, empresários de ônibus, administradores, prestadores de serviços indiretos do setor de transportes, associações de passageiros e de defesa do consumidor, jornalistas especializados e a todos aqueles que desejam se aprofundar nos temas que compõem a mobilidade.

Como os dirigentes da ANTP definem na abertura do manual, a proposta é “ampliar o conhecimento técnico dos dirigentes, administradores e executivos do setor de transporte público para uma compreensão melhor das responsabilidades recíprocas entre contratante (poder público) e contratado (operadores) em prol de um transporte público mais eficiente e com melhor qualidade e que atenda satisfatoriamente às necessidades dos passageiros, da cidade e da sociedade de modo geral”.

CONTEÚDO

O Guia está distribuído em 9 capítulos/seções:

  1. Os ônibus urbanos – anatomia, qualidades e limites

Nesta seção se analisam as características principais dos veículos, suas vantagens e desvantagens, os cuidados na seleção do tipo de frota e dos itinerários, de modo que as vias utilizadas sejam adequadas às dimensões dos ônibus e outros aspectos que devem ser considerados na especificação dos serviços.

  1. O transporte por ônibus urbanos e sua relação com o ambiente em que se realiza

O termo “meio ambiente”, nesse caso, foi utilizado para identificar todos os fatores externos essenciais para o desempenho e o conforto do serviço de ônibus urbanos, tais como as vias utilizadas (pavimento e geometria), os percalços encontrados durante a operação (trânsito, obras nas vias, pedestres, acidentes), as paradas, os abrigos e terminais etc.

  1. Construção da rede: planejamento, especificação e operação

Nesta seção o Guia analisa as atividades que precedem a operação dos serviços e suas implicações: Desenho da Rede, Especificação dos Serviços e Programações Operacionais que influenciam pesadamente o meio ambiente da Seção 2 que terá que ser enfrentado durante a operação

  1. Requisitos e responsabilidades na contratação

Relaciona as atividades das etapas anteriores, posteriores e da própria operação, procurando analisar as responsabilidades dos agentes principais (poder concedentes, órgão gestor e operadores) em cada atividade. Essa caracterização precede a formulação do Contrato, devendo haver compatibilidade entre eles.

  1. Contratos para operação dos serviços de transporte coletivo urbano por ônibus

O manual procura fazer um breve apanhado da legislação que regula os contratos de concessão e permissão para delegação dos serviços de ônibus, caracterizar e diferenciar os tipos de contrato e traçar um roteiro básico de conteúdo dos Editais das Licitações para a contratação.

  1. Custos, política tarifária e sistemas de arrecadação

Embora tenha ligação estreita com a formulação dos contratos, o tema está presente durante todo o período de execução dos serviços. As políticas tarifárias ocupam uma boa parte da seção, tratando dos conceitos de tarifa em suas diversas modalidades, as gratuidades e descontos, a participação das tarifas nas reduções de demandas dos sistemas de transporte público. Também foi tratada a gestão da arrecadação, financeira e repartição de receitas.

  1. Qualidade dos serviços de ônibus – os diversos pontos de vista

Analisa a qualidade dos serviços de dois pontos de vista: o do viajante, voltado para as percepções desse público e seus conceitos de qualidade; e o de gestores e operadores, focado principalmente na eficiência decorrente do bom desempenho operacional. O ponto de vista político terá que equilibrar sua viabilidade popular garantida pela opinião pública com os meios necessários fornecidos pela eficiência do desempenho econômico. São conceituados os principais Indicadores de Desempenho com seu método de cálculo.

  1. Sistemas Inteligentes de Transporte – ITS

Nesta seção é feito um apanhado dos principais ferramentais desenvolvidos para cada etapa dos serviços. Para cada um deles, procura apresentar as principais funcionalidades e demonstrar as vantagens e ganhos operacionais e econômicos decorrentes de sua implantação. Também trata dos requisitos que gestores e operadora devem atender para maximizar os efeitos proporcionados pelo ITS.

  1. Gestão operacional para qualidade

Apresenta um panorama desejado para a Gestão dos sistemas de ônibus, apresentando-a do ponto de vista da Engenharia de Produção com seus principais conceitos e práticas. Propõe modelos alternativos de Organização da Operação, com os atributos dos principais agentes. Por último, orienta a elaboração de Manuais de Organização e de Procedimentos Operacionais.

guia ANTP 01 contra

Após o lançamento oficial, na próxima semana durante o evento Arena ANTP, a versão digital do Guia estará disponível também para download gratuito no site da Associação: antp.org.br

A ANTP realizou o Guia com apoio da Fabus – Associação Nacional dos Fabricantes de Ônibus e das empresas Metra, Mercedes-Benz, Volkswagen e Volvo.

 

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Pedro disse:

    Com um prefeito como o Bruno Covas não tem sistema de transporte público que melhore, pensa so em diminuir, acabar, tirar, e tudo menos, e essa direita cruel que so pensa em beneficiar maus empresários, depois ficam tentando acabar com a concorrência dos aplicativos, acho que mau administração e coisa de família.

Deixe uma resposta