Carreata de veículos marca 4ª edição do Dia da Mobilidade Elétrica em São Paulo

Publicado em: 25 de maio de 2019

Ônibus elétricos e híbridos, caminhões, automóveis, skates, patinetes, bicicletas e motos fizeram parte do evento

JESSICA MARQUES

A tradicional carreata de veículos no centro de São Paulo marcou a 4ª edição do Dia da Mobilidade Elétrica neste sábado, 25 de maio de 2019. A largada foi na Rua Treze de Maio e o grupo de carros percorreu toda a Avenida Paulista, terminando no Estádio do Pacaembu.

O Dia da Mobilidade Elétrica é um evento apoiado pela ABVE (Associação Brasileira do Veículo Elétrico) e organizado pela NürnbergMesse Brasil. Tem o patrocínio de grandes empresas associadas à ABVE, como Toyota, Eletra, Enel, Mercedes-Benz, Nissan e Renault.

Na ocasião, o presidente da ABVE, Ricardo Guggisberg, citou em agradecimento o fato de o prefeito Bruno Covas ter colocado em prática a Lei número 15.997, criada para isentar de rodízio veículos híbridos e elétricos emplacados na cidade, além do reembolso parcial do IPVA (Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores).

Segundo Guggisberg, a lei foi regulamentada em 2015, mas os reembolsos de IPVA estavam pendentes até o início deste ano, porém a situação já foi regularizada. A capital paulista também já isenta veículos híbridos e elétricos de rodízio.

O desafio que temos pode ser resumido de forma muito simples: trabalhar para que São Paulo continue na vanguarda da eletromobilidade no Brasil“, disse, ressaltando a importância da associação neste processo.

Além disso, a ABVE está desenvolvendo um projeto em parceria com a Prefeitura de São Paulo para criar uma Zona MUV (Zona de Mobilidade Urbana Verde) no centro histórico de São Paulo. Na região, seria permitida a circulação de veículos movidos a combustíveis sustentáveis, com baixa emissão de poluentes.

MICROMOBILIDADE E TRANSPORTE COLETIVO

Durante o evento, estiveram na carreata dezenas de veículos, incluindo ônibus elétricos e híbridos, caminhões, automóveis, skates, patinetes, bicicletas e motos movidas a energia elétrica.

O secretário de Mobilidade e Transportes da capital paulista, Edson Caram, esteve presente no evento e afirmou que o plano de segurança viária da cidade é focado em um conceito que parte do princípio de que nenhuma morte no trânsito pode ser tolerada. Desta forma, os novos meios de transporte na cidade, elétricos ou não, devem seguir normas para que sejam evitados acidentes.

Além de olharmos para a segurança, olhamos também para a sustentabilidade. Atendemos com prioridade os modos ativos de deslocamento, como bicicleta e a pé, que entram no conceito de micromobilidade junto a carros elétricos, patinetes e bicicletas“, afirmou.

Os modos ativos de deslocamento, como bicicleta e a pé, entram em um novo conceito de micromobilidade, pois cobrem os trajetos mais curtos de deslocamento e fazem o elo com outros meios de transporte nas viagens em que as pessoas fazem uso desse modal. Esses modos ativos, porém, não entram no conceito de micromobilidade sozinhos, há os veículos elétricos, bicicletas, patinetes motorizados, entre outros. Nosso papel na micromobilidade é regular e promover a segurança. Enquanto viabilizamos todo o desempenho do negócio para garantir que haja conforto no serviço e a conscientização de todos os envolvidos do processo, para que as pessoas sejam atendidas sem serem expostas a risco. É do nosso maior interesse que esses trechos iniciais e finais dos trajetos, que são cobertos pela micromobilidade, sejam cumpridos pelos veículos elétricos de pequeno porte“, disse também o secretário.

Apesar de o evento apresentar formas individuais de locomoção, o transporte coletivo esteve presente representado por ônibus da Eletra, movidos a bateria e híbridos.

Na visão da vice-presidente de pesados da ABVE e gerente comercial da Eletra, Iêda Maria Alves de Oliveira, é preciso ir além do diesel no transporte coletivo e incluir a mobilidade elétrica em parte da frota de ônibus que operam nos municípios brasileiros.

A eletromobilidade dos pesados tem papel fundamental por ter onde o poder público pode legislar diretamente. Quando você fala como as pessoas da cidade sejam transportadas em matéria de conforto, piso baixo e emissão zero, isso está nas mãos do poder público. A eletromobilidade dos pesados é importante e hoje é um dia em que a gente fala desse assunto. É possível, precisa vontade política, esforço, quebrar muitos tabus, mas é possível. Nosso país possui a terceira maior frota de ônibus do mundo e não podemos enxergar isso com um olhar do passado, porque o mundo está avançando muito rapidamente na eletromobilidade”, afirmou.

abev_carreata_07

abev_carreata_06

abev_carreata_05

abev_carreata_03

abev_carreata_02

abev_carreata_01

Jessica Marques, para o Diário do Transporte

Comentários

  1. orlando silva disse:

    Ha de se ressaltar que os corredores do ABDM, estão sendo plantadas manacás ao longo da via,,,e estão lindos, isso tambem conta..

Deixe uma resposta