Ônibus de Salvador circulam hoje; rodoviários e empresas marcam decisão sobre acordo salarial para 2 de maio

Publicado em: 26 de abril de 2019

Foto: Yuri Gagarin Santos (Clique para ampliar)

Data-base da categoria é no dia 1º de maio e greve não está descartada

ALEXANDRE PELEGI

Após retardarem a saída dos ônibus de algumas garagens na manhã desta quinta-feira, 25 de abril de 2019, os rodoviários de Salvador, na Bahia, confirmaram que a situação do transporte coletivo voltou ao normal nesta sexta-feira, 26 de abril.

Os ônibus circularão normalmente, com toda a frota nas ruas da capital.

Uma greve da categoria, no entanto, não está descartada. Tudo depende da data-base dos rodoviários no dia 1º de maio.

No dia seguinte, 2 de maio, uma reunião deve finalmente definir se haverá acordo ou não entre empregados e patrões quanto ao reajuste salarial.

Os rodoviários reivindicam 8%, enquanto o sindicato patronal garante apenas 2,7%, impasse que motivou os protestos de ontem em Salvador.

A reunião entre o Sindicato dos Rodoviários da Bahia (Sindirodoviários) e o Consórcio Integra, das empresas de ônibus, será mediada pela Superintendência Regional do Trabalho (SRT-BA) e pelo Ministério Público do Trabalho (MPT-BA) no dia seguinte ao feriado , às 14h.

Em declaração ao Correio da Bahia, o presidente do Sindirodoviários garantiu que a greve permanece como arma dos trabalhadores: “Todo esse trabalho que estamos fazendo é para que, em caso de não haver a acordo, a categoria já esteja preparada para uma greve por tempo indeterminado. Devemos realizar novas assembleias e passeatas até que cheguemos a uma greve, que não é o que nós queremos, claro”, garantiu o dirigente sindical.

A ação, segundo o sindicato, acontece por conta da campanha salarial da categoria, que além do reajuste no salário pede o cumprimento de 11 solicitações de uma pauta de reivindicações. Entre os itens, está um aumento no vale-alimentação e a redução da contrapartida de 10% para 1% de cobrança no pagamento.

O sindicato alega, por outro lado, que a proposta das empresas, além de distante do pretendido pelos trabalhadores, condiciona que eles aceitem a redução de um domingo de folga além do fim das horas-extras.

A frota de Salvador conta com 2,4 mil ônibus e atende a 1,3 milhão de usuários por dia.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Deixe uma resposta