​CPTM entrega dois novos trens à Linha 7-Rubi

Composições são a 59ª e a 60ª do lote de 65 unidades compradas pelo Governo do Estado. Foto: Divulgação.

Composições são da série 9500, fabricadas pelo Consórcio Hyundai Rotem

JESSICA MARQUES

A CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) entregou dois novos trens à Linha 7-Rubi (Luz – Francisco Morato – Jundiaí) nesta quinta-feira, 21 de março de 2019. As composições são da série 9500, fabricadas pelo Consórcio Hyundai Rotem.

O vice-governador Rodrigo Garcia, o secretário de Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, e o presidente da CPTM, Pedro Tegon Moro, estiveram presentes na entrega.

De acordo com a CPTM, as composições são a 59ª e a 60ª do lote de 65 unidades compradas pelo Governo do Estado. A linha atende a Região Metropolitana de São Paulo.

“A CPTM está readequando a frota de acordo com a necessidade operacional, de forma a padronizar as linhas. Desde 2007, já entraram em operação 165 novos trens em todas as linhas da Companhia. As outras cinco composições do lote de 65 devem ser entregues até o fim deste ano”, informou, em nota.

Os novos trens contam com salão contínuo de passageiros (passagem livre entre os carros), monitoramento com câmeras na parte externa e interna e são acessíveis para pessoas com mobilidade reduzida ou deficiência – sinalização visual para identificação de assentos preferenciais, espaço para cadeirantes, mapa com indicação luminosa das estações para deficientes auditivos e áudio para deficientes visuais, de acordo com a CPTM.

“Também dispõem de monitores digitais internos com informações sobre a prestação de serviços, além de reconhecimento eletrônico automático do maquinista por meio de biometria.”

A Linha 7-Rubi transporta, em média, 470 mil passageiros por dia, sendo 435 mil entre Luz e Francisco Morato e 35 mil entre Francisco Morato e Jundiaí.

Em 2018, trens da mesma série foram entregues pela CPTM também para a Linha 7-Rubi.

Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2018/10/04/cptm-entrega-novo-trem-para-a-linha-7-rubi/

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Gabriela disse:

    De que adianta trem novo se o antigo sem ar cond ventila muito mais do que o novo com ar condicionado.

  2. Rogerio Belda disse:

    Não tenho competência técnica para opinar a respeito, mas lembro que no Metrô de São Paulo não se usava implantar ar-condicionado porque apresentava muitas falhas de funcionamento e que mais tarde fora adotado por ter melhor performance.

Deixe uma resposta