Câmara de Governador Valadares (MG) aprova CPI para investigar empresa de transporte

A empresa Mobi, antes conhecida como Valadarense, será alvo da CPI. Foto: divulgação.

Entre irregularidades a serem apuradas, estão tarifa diferenciada, combinação prévia do valor da passagem e descumprimento do contrato

JESSICA MARQUES

A Câmara de Vereadores de Governador Valadares, em Minas Gerais, aprovou a abertura de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar a empresa de transporte coletivo urbano que opera no município.

A empresa Mobi, antes conhecida como Valadarense, será alvo da CPI. O requerimento foi apresentado pela vereadora Rosemary Mafra e foi aprovado por um terço dos vereadores.

Segundo a vereadora, é preciso apurar diversas irregularidades que supostamente são cometidas pela empresa. Rosemary listou diversos pontos que devem ser apurados pela CPI.

Entre os itens que serão investigados estão nulidade do aumento tarifário, combinação Prévia do Valor da tarifa, preço da passagem diferenciado com ônus para o passageiro, exploração de publicidade, descumprimento de cláusulas do contrato, entre outras.

“A CPI tem poder de investigação (quebra de sigilo bancário e telefone e solicitar outras providências) e pode convocar quem quiser para ouvir. Tem um prazo de 90 dias para a sua conclusão podendo ser prorrogado por mais 60 dias. A próxima fase agora é a criação da Comissão com a indicação de 5 vereadores sendo: 1 do bloco da Minoria, 1 do bloco dos Independentes e 3 vereadores da bancada Governista”, informou a Câmara, em nota.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Deixe uma resposta