Operação de linhas de ônibus da zona Sul tem mudanças a partir desta sexta, 18

Ônibus da Tupi, cujas linhas passam, a ser operadas por outras empresas. Foto: Adamo Bazani (Clique para Ampliar).

Passageiro deve estar atento em relação a trocas de empresas operadoras

ADAMO BAZANI

A partir desta sexta-feira, 18 de janeiro de 2019, com a assinatura de novos contratos emergenciais com as empresas do subsistema estrutural da cidade de São Paulo, haverá uma reorganização de linhas na zona Sul de São Paulo.

Mudam as linhas entre as empresas operadoras e o passageiro deve estar atento em relação ao nome das viações e aos trajetos.

Como mostrou o Diário do Transporte, a MobiBrasil comprou a Tupi Transportes Urbanos. Com isso, houve um rearranjo entre as empresas da região, que é a área operacional 06, cujos ônibus são da cor azul clara.

TAGS:

https://diariodotransporte.com.br/2019/01/17/mobibrasil-compra-tupi-transportes-e-novos-nomes-aparecem-para-empresas-de-onibus-no-periodo-pre-licitacao/

As mudanças envolvem a Viação Cidade Dutra, MobiBrasil e Transwolff.

Em nota, a SPTrans – São Paulo Transporte, informou ao Diário do Transporte que as mudanças envolvem 28 linhas somente da Tupi, mas que não haverá alterações na rotina dos passageiros.

A SPTrans informa que a partir desta sexta-feira, 18 de janeiro, 28 linhas de ônibus operadas pela Viação Tupi serão redistribuídas entre as empresas MobiBrasil, Viação Cidade Dutra e Transwolff. Os passageiros continuarão utilizando suas linhas normalmente, sem qualquer mudança em sua rotina.  

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. WILLIAM DE JESUS SANTOS disse:

    Acertei na mosca! 695H mais uma vez operada pela Cidade Dutra. Curioso que quando a Cooperauhton foi descredenciada em 2007, ela foi passada para a VCD, que não aguentou por não ter frota suficiente. Vamos ver como será a operação agora.

    Só acho que seria justo que outras linhas da Mobibrasil, como 5652 é 6000 fossem repassadas também. Já que quando ela saiu da Unisul deixou claro que queria concentrar suas operações na região de Jabaquara

  2. ALCIDEA Gomes Malveira disse:

    Precisamos urgente de uma linha da Av. Sabara até Av.paulista direto.perdemos muito tempo fazendo baldiacao…

  3. Marisa Almeida Gonçalves disse:

    pois é tiraram os veiculos grandes e colocaram os pequenos que já nao cabiam os passageiros, espero que horarios tambem sejam remanejados, pois veiculos pequenos e cheios, foi horrivel hoje na linha 637v-10 parque america santo amaro

  4. Plínio Silva disse:

    essas mudanças podem até serem boas para os usuarios da linha 675R, que pela mobi era operada pelos piores carros da empresa, assim como 675M e 5652. Agora perderam muito em qualidade os usuários da 695H que era operada pela Tupi com seus melhores carros e a agora com a Cidade Dutra que opera mal até a 695Y, imagine operando a 695H. hoje em seu primeiro dia na operação da linha, até que foram colocados alguns carros bons, com ar condicionado, mas a partir da semana que vem com certeza os articulados que forem para a linha serão os mondegos que estão caindo aos pedaços e carros com ar condicionado, podem esquecer.

  5. Dirceu disse:

    Quando a SPtrans iniciou o projeto de reorganização das linhas, com redução de trajeto, finais de semana e feriados algumas linhas operam pela metade do trajeto, está um transtorno chegar a região dos Jardins (no meu caso), moro próximo a Vila Clara e trabalho na Paulista, (15 KM aproximadamente), antes destas mudanças, eu tinha 3 opções para chegar a Av. Paulista (577-T Jd.Miriam-Vila Gomes, 875-A Aeroporto-Aratans e 875-M Aeroporto-Miruna) a 1ª ficou reduzida até o metrô Ana Rosa e a 875-M virou 609J, ficando apenas a 875-A que por sua vez, demora demais, os horários desta linha no site da SPTrans é lindo, mas na prática não, tenho que sair de casa 01h30m antes do horário de chegar ao trabalho, se quiser ir de ônibus até o trabalho senão chego atrasado, eles estão forçando os passageiros a fazer a transposição para o metrô.
    A cada dia é um tormento, tenho que pegar o primeiro que passa e ir fazendo baldeações até chegar a Ana Rosa e de lá pegar outro que passe pela Av. Paulista, já cheguei a pegar 4 ônibus para chegar ao trabalho.
    Algumas vezes tive que descer no meio de caminho e ir de metrô senão chegaria atrasado, realmente está difícil sair do bairro e ir até o centro.
    E não dá para entender como a linha 175-T (Jabaquara-Santana) ainda não foi reduzida.
    E Ainda, as linhas 5164-10 e 5194-10 (que antigamente iam até o Largo São Francisco passando pela Av. Brigadeiro Luiz Antonio, agora uma foi reduzida e a outra vai pela 23 de Maio, não passando mais pela Avenida Brigadeiro.

    1. WILLIAM DE JESUS SANTOS disse:

      A 875A está sendo má operada pela Tupi desde quando o fundador da empresa faleceu. A crise se instaurou dentro da empresa e deu no que deu. Vamos ver se com a Mobibrasil a coisa melhora. Isso se ela não reduzir ou cancelar a linha de vez!

      Não entendo que cisma é essa que o pessoal tem da 175T. Que vantagem a linha vai trazer se for reduzida? Nenhuma! É uma linha importantíssima, que da uma baita ajuda para a linha 1 do metrô.

      Quer dizer, reclamam que as linhas estão sendo canceladas e forçando baldeação para o metrô, mas querem que a 175T seja reduzida. Vai entender..

  6. anderson augusto aguiar disse:

    A linha 637v parque america/terminal santo amaro deveria ser operada pela viação cidade dutra.

  7. Romílio Busólogo Silva disse:

    uma empresa tradicional como a Tupi ser vendida estou impressionado me lembro dessa empresa na década de 80 quando tinha poucas linhas mas os carros eram muito bem zelados e a partir dai a empresa cresceu e agora é decretado seu fim,mas fazer o que

  8. Marcos Assis disse:

    Era bom demais para durar muito ..a Tupi estava atendendo super bem desde o meio do ano passado..só ônibus novos,com ar condicionado..foi bom enquanto durou…a agora cidade duDut vai judiar da população da linha 695H jardim herplin.

Deixe uma resposta para Romílio Busólogo Silva Cancelar resposta