Sobe número de mortes de pedestres e ocupantes de automóveis no estado de São Paulo

Na capital paulista, o número de mortes em acidentes de trânsito teve aumento. Foto: Divulgação.

Dados referentes a novembro também mostram que acidentes envolvendo motociclistas e ciclistas diminuíram no período

JESSICA MARQUES

Subiu o número de mortes de pedestres e ocupantes de automóveis no estado de São Paulo. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira, 21 de dezembro de 2018, pelo Infosiga SP, por meio do Movimento Paulista de Segurança no Trânsito, programa do Governo de São Paulo que visa reduzir o número de fatalidades causadas por acidentes de trânsito.

Os dados consolidados de novembro mostram que houve um aumento de 6 ocorrências, chegando a 408 no total, na comparação com o mesmo mês do ano passado, em que foram 402 registros.

Entre janeiro e novembro, por sua vez, foram registradas 4.950 fatalidades nos 645 municípios do Estado, o que representa uma redução de 3,5% na comparação com os onze primeiros meses de 2017, em que foram 5.132 casos.

Os acidentes envolvendo motociclistas seguem liderando as estatísticas. Em novembro, foram 129 casos, uma redução de 5,1% na comparação com 2017, quando ocorreram 136 mortes.

Segundo o Infosiga, os pedestres estão em segundo lugar, com 119 óbitos e um aumento de 1,7%, frente a 117 ocorrências em 2017. Por sua vez, o número de vítimas ocupantes de automóveis teve o crescimento mais expressivo, com 112 casos e aumento de 24,4%, por terem sido 90 no ano passado. Na sequência, aparecem os ciclistas, com 24 ocorrências e redução de 5,1%, com 29 casos em 2017.

“As fatalidades no trânsito estão concentradas nas vias municipais (52,5%) e nos períodos da noite e madrugada (51,5%), assim como nos finais de semana, com 4 em cada 10 ocorrências (44,6%) registradas entre as noites de sexta-feira e madrugada de segunda-feira”, diz trecho do levantamento.

ACIDENTES POR GÊNERO

Os homens (79,4%) e os condutores dos veículos (52%) são as principais vítimas do trânsito, sendo que 1 em 4 fatalidades são de jovens (26,7%) com idade entre 18 e 34 anos.

Ainda de acordo com as análises do Movimento Paulista de Segurança no Trânsito para o mês de novembro, em 56,1% dos casos o falecimento ocorreram nos hospitais, e as colisões entre veículos (39,7%), atropelamentos (29,9%) e choque contra objetos fixos (15,4%) lideram as estatísticas.

CAPITAL PAULISTA

Na capital paulista, o número de mortes em acidentes de trânsito passou de 56 em novembro de 2018 para 75 no mesmo mês deste ano.

A tendência de aumento começou a ser evidente a partir de junho deste ano. Na época, foram quatro ocorrências a mais em comparação ao mesmo período de 2017. Desde então, os meses apresentam número de mortes igual ou maior que no ano passado.

No acumulado do ano, entretanto, o número de mortes no trânsito teve uma queda. De 806 ocorrências de janeiro a novembro de 2017, a quantidade passou para 778 nos 11 meses de 2018.

SANTO ANDRÉ

Os números divulgados pelo Infosiga com relação à cidade de Santo André, no ABC Paulista, são positivos. No último mês de novembro, o município não registrou nenhum óbito provocado por acidentes de trânsito.

Nos últimos 12 meses, entre novembro de 2017 e outubro de 2018, houve 39 vítimas fatais no município, enquanto entre novembro de 2016 e outubro de 2017 ocorreram 45 óbitos, uma queda de 13,3%.

De janeiro a novembro de 2018, o número de mortes causadas por acidentes de trânsito foi de 31, número abaixo da quantidade estabelecida como meta pelo Movimento Paulista de Segurança no Trânsito, que era de 37.

“Os indicadores são resultado das diversas ações de segurança viária adotadas pela Prefeitura, focadas na segurança e na conscientização de motoristas, pedestres e ciclistas. Entre as ações estão campanhas educativas e investimento em melhorias na sinalização de trânsito e na qualidade das vias, além de campanhas direcionadas a pedestres, ciclistas e motociclistas”, informou a administração municipal, em nota.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta