Fura-catraca: Viações de Curitiba estimam prejuízo de R$ 6,3 milhões e testam grades em estação tubo

Grade é uma das alternativas para evitar evasões. Foto: Divulgação Setransp/Texto: Adamo Bazani (Clique para Ampliar)

Número de invasões cresceu 1,8% em novembro em relação ao levantamento feito em março

ADAMO BAZANI

As empresas de ônibus de Curitiba informaram nesta sexta-feira, 21 de dezembro de 2018, que estimam um prejuízo anual de R$ 6,3 milhões por causa das ações de “furas-catracas”, quando quem deve pagar a passagem acaba viajando de graça.

Com este dinheiro, é possível comprar cinco biarticulados, 13 ônibus Padron ou 18 ônibus convencionais.

Para tentar evitar o problema, as empresas de ônibus testam a instalação de grades nas estações-tubo.

O primeiro equipamento que recebe a proteção é a “estação tubo Passeio Público”, a mais “furada”. As grades serão custeadas pela empresa Transporte Coletivo Glória.

A Urbs – Urbanização de Curitiba S.A., gerenciadora do sistema, autorizou a instalação destas grades.

O Diário do Transporte teve acesso à apresentação do Setransp, o sindicato que reúne as viações, realizada nesta sexta-feira.

Entre a pesquisa elaborada no período de 05 de novembro a 11 de novembro em comparação com o levantamento anterior, em março, houve um aumento de 1,8% no total de ações nas estações-tubo monitoradas, passando de 27.963 casos registrados para 28.479.

Entretanto, houve uma queda de 19% no total de invasões nas 10 primeiras estações-tubo: na semana pesquisada em novembro foram 7.149 caos ante 8.858 no levantamento de março.

A estação-tubo Passeio Público registou na comparação entre os dois períodos, queda de 40% no total de invasões, mas continua liderando o ranking.

A maior parte das invasões é cometida pelos próprios passageiros habituais do sistema, de acordo com o levantamento.

É em períodos da tarde e da noite que mais ocorrem as invasões, ainda de acordo com a pesquisa.

O levantamento mapeou 294 pontos de cobrança, entre estações e bilheterias, e utilizou 1100 cobradores do sistema como pesquisadores, que preencheram 2500 formulários com os relatos das invasões.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Rogerio Belda disse:

    Há previsão de punição ao fraudador? É sabido que a população de Curitiba
    é muito civilizada, mas a vida em coletividade exige regras e cobrança.Belda

  2. Paulo César De Carvalho Júnior disse:

    No quesito “Comportamento no transporte público”, a educacao do curitibano é 0.

Deixe uma resposta