Ônibus são apedrejados na Grande Vitória, segundo empresas

Greve entrou no segundo dia nesta terça-feira. Foto: Eliziar Maciel Soares

Segundo o GVBus, 11 veículos foram danificados na manhã desta terça-feira

JESSICA MARQUES

O GVBus (Sindicato das Empresas de Transporte Metropolitano da Grande Vitória) informou que 11 ônibus do transporte coletivo da região, no Espírito Santo, foram danificados na manhã desta terça-feira, 4 de dezembro de 2018.

De acordo com informações do sindicato, os veículos foram apedrejados e tiveram os pneus furados. Além disso, as empresas também informaram que algumas saídas de garagens estavam bloqueadas.

Entretanto, o GVBus não apontou nenhum responsável pelos atos de vandalismo nos ônibus, apenas constatou à imprensa regional os ataques.

Conforme já notificado pelo Diário do Transporte, o Sindirodoviários (Sindicato dos Rodoviários) radicalizou no segundo dia de paralisação. Poucos ônibus saíram para as ruas nesta manhã.

Relembre: Rodoviários radicalizam no segundo dia de greve em Vitória

“O GVBus foi pego de surpresa nesta madrugada. Nem 10% dos ônibus saíram das garagens, o que comprometeu todo o sistema, e como consequência, o atendimento à população. Situação que deixa claro que a determinação judicial não está sendo cumprida pelo Sindirodoviários, que mais uma vez surpreende os passageiros, impedindo seu direito de ir e vir, e demonstra não ter nenhum respeito às decisões judiciais”, informou o sindicato patronal, em nota.

REUNIÃO DE CONCILIAÇÃO

Uma reunião de conciliação estava marcada para as 13h30 desta quarta-feira, no TRT (Tribunal Regional do Trabalho). Entretanto, devido aos fatos apresentados nesta manhã, o órgão decidiu antecipar o encontro para as 11h desta terça.

“O que podemos fazer é antecipar para hoje a audiência de conciliação que estava marcada para amanhã (quarta). É lamentável, um desrespeito não só ao judiciário, mas com toda a sociedade. O percentual determinado pelo tribunal foi muito adequado, considerando que é uma atividade essencial”, afirmou Mario Cantarini, presidente do TRT, à Gazeta Online.

O QUE MOTIVA A GREVE

A proposta dos empresários de reajuste salarial de 3% foi considerada insuficiente pela categoria, que decidiu manter a paralisação, mesmo índice apresentado em reunião nesta segunda-feira, dia 3.

Os rodoviários querem 4% de reajuste mais a inflação, tanto para os salários quanto para o tíquete-alimentação e plano de saúde. A categoria também recusou o pedido de adiar a paralisação em uma semana, para negociações.

Atualmente, o salário dos motoristas é de R$ 2.228 e do cobrador é de R$ 1.150. O tíquete-alimentação, por sua vez, é de R$ 696.

Mesmo com a decisão de greve mantida, uma nova rodada de negociação está marcada para a tarde desta segunda.

Ainda em novembro, a greve foi deflagrada para segunda-feira, com previsão de 30% da frota circulando.

Um edital foi publicado pelo sindicato com os detalhes da greve.

Relembre: https://diariodotransporte.com.br/2018/11/29/rodoviarios-da-grande-vitoria-confirmam-greve-de-onibus-para-segunda-feira-com-circulacao-de-30-da-frota/

Segundo o documento, a paralisação foi determinada em assembleia geral realizada nesta terça-feira, 27 de novembro de 2018, conforme noticiado pelo Diário do Transporte.

Relembre: Sindicato aprova greve de ônibus para segunda-feira na Grande Vitória (ES)

Jessica Marques para o Diário do Transporte

 

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

Deixe uma resposta