Permissionários do Transporte Complementar de Taubaté atrasam troca de vans por micro-ônibus e podem sair do sistema

Publicado em: 17 de novembro de 2018

Prazo acabou em 30 de setembro e empresas não apresentaram documentos que comprovassem aquisição dos veículos

JESSICA MARQUES

A Prefeitura notificou 22 permissionários do Tctau (Transporte Complementar de Taubaté), no interior de São Paulo, por descumprimento de itens do contrato. Ao todo, 53 empresas operam na cidade, em um sistema que, quando foi criado, possuía quase 80 operadores.

Os permissionários notificados atrasaram a troca de vans por micro-ônibus e, por isso, podem sair do sistema. O prazo para a troca acabou em 30 de setembro.

Além disso, os permissionários também não apresentaram documentos que comprovassem que já iniciaram o processo de aquisição dos veículos. Para a comprovação, o prazo era 26 de outubro.

Caso os permissionários tivessem iniciado o processo de compra dos micro-ônibus, o prazo para adequação seria estendido até 30 de dezembro.

O contrato prevê que, caso haja descumprimento, os termos de permissão são rescindidos. Entretanto, os permissionários notificados ainda podem apresentar defesa e solicitar reconsideração.

Em nota à mídia local. a Prefeitura informou que os permissionários “possuem pleno conhecimento das respectivas obrigações e responsabilidades” e que “o não cumprimento dos mesmos poderá resultar na rescisão do contrato”.

O Tctau, por sua vez, informou que os permissionários estão buscando se adequar às novas normas, mas que alguns têm encontrado dificuldades para fazer a troca dos veículos.

Com as características especificadas, cada micro-ônibus zero quilômetro pode custar aproximadamente R$ 270 mil, segundo informações do Tcau. Como cada veículo é dividido por dois permissionários, que atuam em turnos diferentes, ainda seria necessário adquirir mais 11 micros.

Os veículos devem ter de 21 a 24 lugares, com duas portas, sendo uma para embarque e outra para desembarque, catraca, bilhetagem eletrônica, GPS e plataforma elevatória para cadeirantes.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

 

Comentários

Deixe uma resposta