Fernando Haddad x Jair Bolsonaro: o que dizem os programas de governo sobre a mobilidade no Brasil

Ambos os candidatos têm projetos para infraestrutura.

Eleições polarizadas trazem disputa entre PT e PSL

JESSICA MARQUES

As eleições presidenciais deste ano estão causando uma polarização no Brasil. A disputa entre Fernando Haddad, do PT (Partido dos Trabalhadores), e Jair Bolsonaro, do PSL (Partido Social Liberal), está dividindo opiniões nas pesquisas, na internet e em círculos sociais.

Com posicionamentos políticos diferentes, cada candidato atrai um perfil de público distinto, tanto pelas propostas quanto pelos ideais que apresentam nas campanhas.

Jair Bolsonaro nasceu em 1955 e é capitão da reserva do Exército e político brasileiro. Exerce seu sétimo mandato de deputado federal pelo estado do Rio de Janeiro.

O candidato nasceu em Campinas, São Paulo, e foi aluno da Escola Preparatória de Cadetes do Exército. Em 1977 formou-se na Academia Militar das Agulhas Negras, em Resende, Rio de Janeiro. Em 1983 formou-se no curso de Educação Física do Exército. Chegou à patente de Capitão.

Em novembro de 1988, Jair Bolsonaro foi eleito para a Câmara Municipal do Rio de Janeiro pelo Partido Democrata Cristão (PDC). Em outubro de 1990, foi eleito deputado federal pelo PDC.

Em 2002, foi eleito pela quarta vez ao cargo de deputado federal pelo PPB, mas nesse mesmo ano, filia-se ao PTB. No início de 2005 deixa o PTB e filia-se ao PFL. Em abril, deixa o PFL e filia-se ao Partido Progressista (PP). Em 2006 é eleito para seu quinto mandato.

Em 2014, Jair Bolsonaro foi reeleito para o seu 7º mandato. Em março de 2016, filiou-se ao PSC, em 2017 esteve em negociações com o Patriotas (PEN). Em 2018 a sua candidatura à Presidência do Brasil foi feita por meio do PSL.

Fernando Haddad nasceu em São Paulo em 1963 e é um político brasileiro, advogado e professor universitário. Também foi Ministro da Educação e prefeito de São Paulo.

Em 1981, Fernando Haddad ingressou na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco (USP). Fez parte da militância estudantil.

Em 1985, Fernando Haddad formou-se em Direito. Em 1986 ingressou no mestrado em Economia na USP. Em 1990 concluiu o curso e, um ano depois, iniciou o doutorado em Filosofia na USP.

Em 1986, Fernando Haddad foi sócio de seu cunhado Paulo Nazar, no ramo de construção e incorporação. Em 1986, trabalhou no Unibanco como analista de investimentos. Em 1991, foi aprovado para lecionar na USP no curso de Ciência Política. Em 1998, trabalhou como consultor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas.

Em 2001, Fernando Haddad foi convidado para a chefia de gabinete da Secretaria de Finanças e Desenvolvimento Econômico do município de São Paulo, na gestão de Marta Suplicy. Em 2003 assumiu a Assessoria Especial do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Em 2004 assumiu o cargo de Secretário-Executivo do Ministro da Educação Tarso Genro. Em 2012, Fernando Haddad foi eleito para a prefeitura de São Paulo, pelo PT, no segundo turno, quando concorreu com José Serra.

O Diário do Transporte comparou os programas de governo de ambos os candidatos e separou o que cada um propõe para a mobilidade no Brasil.

O plano de governo de Fernando Haddad cita a retomada de investimentos em infraestrutura de transporte limpa, que garanta diversificação dos modais de cargas e passageiros.

O candidato também fala em ampliar a infraestrutura com modicidade tarifária e fortalecer as instituições federais para retomar as funções de planejamento e de regulação.

Por sua vez, Jair Bolsonaro cita como meta a redução de custos e prazos para embarque e desembarque em portos brasileiros. “Nosso objetivo é chegar, ao final do Governo, com patamares similares aos da Coréia do Sul (porto de Busan), do Japão (porto de Yokohama) e de Taiwan (porto de Kaohsiung).”

Bolsonaro também fala em atrair investimentos para a modernização e expansão dos aeroportos. Nesse sentido, será buscado um modelo de maior participação privada, baseado no interesse público.

O plano de governo também cita o baixo investimento atual em infraestrutura rodoviária e ferroviária, sinalizando possível mudança neste cenário.

ACOMPANHE ABAIXO A ÍNTEGRA SOBRE MOBILIDADE DOS PROGRAMAS QUE ESTÃO REGISTRADOS NO TSE:

JAIR BOLSONARO

bolso.jpg

FERNANDO HADDAD

transporte.jpg

Jessica Marques para o Diário do Transporte

1 comentário em Fernando Haddad x Jair Bolsonaro: o que dizem os programas de governo sobre a mobilidade no Brasil

  1. No âmbito federal, cabe mais a questão de direcionamento de verbas e facilidade pra empréstimos dos estados, quanto a melhorias caberá aqui em SP ao Dória eleito, e ao prefeito atual Bruno Covas, espero ao menos que o Dória não seja igual o Pinóquio, e haja com promessas e no fim não entrega nada, e só adie obras, em SP esta faltando corredores de ônibus eficientes, e novos, e que tirem os táxis de uma vez, veremos.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: