Consórcio Volvo completa 25 anos e quer ampliar participação no mercado de ônibus no Brasil

Valter Viapiana acredita que consórcios devem aumentar no mercado de ônibus. Foto: Adamo Bazani (Clique para Ampliar)

Dentro deste período, foram pagos R$ 5 bilhões em créditos. Ônibus ainda representam 5% das carteiras

ADAMO BAZANI
Colaborou Jessica Marques

O Consórcio Volvo completa 25 anos de atuação no mercado com um acumulado de R$ 5 bilhões de créditos pagos desde 1993 e um desafio: aumentar a participação no mercado de ônibus.

Habitualmente, os diversos segmentos de ônibus optam por outras alternativas financeiras, como o Finame, Refrota (no caso de urbanos) e CDC – Crédito Direto ao Consumidor.

No entanto, com o passar do tempo a modalidade de consórcio começou a interessar mais frotistas de ônibus. Mesmo assim, os números são modestos.

De acordo com o diretor comercial de financiamentos, Consórcio e Marketing da Volvo Financial Services, Valter Viapiana, atualmente os ônibus representam em torno de 5% da carteira de clientes da marca.

O executivo prevê crescimento neste percentual, mas não estimou um número.

Viapiana diz que os principais segmentos do setor de ônibus que costumam aderir aos consórcios são operadores de fretamento, turismo, rodoviários e de transportes escolares pela forma de renovação.

Habitualmente, as empresas urbanas compram uma quantidade de frota maior de uma só vez.

Já o perfil do frotista de que adere aos consórcios é formado majoritariamente por pequenos empresários, mas há uma participação crescente de médias companhias.

Valter Viapiana relaciona as principais vantagens do modelo de consórcio para empresas de ônibus

Uma delas é a questão de planejamento futuro para renovar a frota, adquirir produtos. Outra vantagem é que o cliente tem nas mãos dinheiro para comprar o que ele precisa, tem uma carta de crédito, então a negociação fica muito mais fácil na hora de comprar o veículo. Além disso, prazos mais longos. Estamos falando de quase cem meses. A possibilidade de contemplar por lance, por sorteio, são inúmeros os benefícios que ajudam o transportador a se planejar”, disse.

A Volvo citou alguns exemplos de clientes antigos do consórcio que tiveram ao longo dos anos crescimento em suas áreas de atuação.

Uma das empresas é a Turística Petitto, que em 1972, começou no transporte escolar na região das cidades de Campinas, Limeira e Piracicaba.

Em 1993, a empresa tinha 35 ônibus e aderiu ao consórcio para renovar e ampliar frota.

Hoje a empresa possui 437 ônibus e 74 caminhões, uma parte adquirida por meio de consórcio.

Atualmente, a empresa está nos ramos de turismo, fretamento e continua no escolar.

O Consórcio Volvo também anunciou um aplicativo para os consorciados.
Pela ferramenta do celular, é possível gerar boletos, fazer pagamentos, acompanhar ao vivo as assembleias, dar lances pelo celular e ter em mãos os resultados das assembleias.
O Consórcio tem a mesma idade da Volvo Financial Services, que está em 45% das operações nas Américas. O Brasil representa 15% desta participação nas Américas e 7% em todo o mundo.

Entre os produtos estão Seguros, Financiamento pelo Finame, Leasing Operacional e Plano de Manutenção.
Um dos diferenciais apresentados pela marca em relação aos seguros são possibilidades de redução de preços para as empresas que investem em treinamento de motoristas e manutenção de frota.
Já quanto ao Finame, a novidade do mercado é que desde setembro está em vigor a TFB – Taxa Fixa do BNDES, que traz mais estabilidade. Antes a base era a TJLP, atrelada à inflação.
Acompanhe na íntegra a entrevista com o diretor comercial de financiamentos, Consórcio e Marketing da Volvo, Valter Viapiana:

Em 25 anos de consórcio, foram 5 bilhões de reais em crédito, é isso mesmo?

Nesses 25 anos de história, o consórcio já disponibilizou R$ 5 bilhões em créditos para que os clientes possam comprar os produtos das cartas de crédito. Caminhão, ônibus ou equipamento de construção. É uma performance extraordinária, temos muito orgulho disso porque nesses 25 anos nenhum consorciado deixou de receber sua carta de crédito. Sempre fizemos a entrega e nenhum grupo de consórcio deixou de contemplar os consorciados.

Esses R$ 5 bilhões é o valor de cotas contempladas e créditos pagos para os clientes. R$ 900 milhões são as novas cartas de crédito que nós vendemos nos últimos três anos, na média. Isso está na carteira. Vai contemplando e o cliente vai decidindo o que quer comprar.

Nas garagens, principalmente dos urbanos em que a gente frequenta, não é comum o consórcio. Qual a maior participação do consórcio para o transporte de passageiros?

O consórcio hoje está mais voltado para transporte rodoviário de passageiros, turismo e fretamento. Não é representativo, em torno de 5% de nossa carteira é para o segmento de ônibus rodoviário. Não é representativo no total, mas é importante, porque os clientes utilizam o consórcio para renovar e ampliar suas frotas. No segmento de ônibus urbano, o consórcio não é utilizado porque a renovação de frota em urbano não acontece de forma planejada no sentido de que se compra um ônibus agora, daqui a seis meses mais um, um ano mais um. Tem que renovar a frota de transporte público comprando 10 ônibus, 20, 50 de uma vez. O consórcio não consegue fazer essa contemplação de uma vez só, por ser um planejamento futuro.

A grande maioria são pequenas empresas de turismo, fretamento, mas também temos empresas médias de rodoviários, com linhas estabelecidas entre estados e municípios.

Há alguma ação para ampliar essa participação no mercado de transporte de passageiros?

Estamos trabalhando algumas ações no consórcio focando nos segmentos de transporte rodoviário, fretamento e turismo. Nós esperamos crescer a participação do consórcio nestes setores nos próximos anos.

Quais são as vantagens do consórcio para o empresário?

O sistema de consórcio tem várias vantagens. Uma delas é a questão de planejamento futuro para renovar a frota, adquirir produtos. Outra vantagem é que o cliente tem nas mãos dinheiro para comprar o que ele precisa, tem uma carta de crédito, então a negociação fica muito mais fácil na hora de comprar o veículo. Além disso, prazos mais longos. Estamos falando de quase cem meses. A possibilidade de contemplar por lance, por sorteio, são inúmeros os benefícios que ajudam o transportador a se planejar. Eu penso o consórcio como uma ferramenta de planejamento e renovação de frota, olhando para o futuro.
Nós temos cartas de crédito hoje com valores que podem contemplar tanto o chassi como a carroceria. Ele vai optar por isso. Ou então o transportador opta por comprar somente o chassi, porque tem outra modalidade de viabilizar a aquisição da carroceria, por exemplo.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes
Colaborou Jessica Marques

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: