Mais um ônibus é incendiado na cidade do Rio, o 18º desde o início do ano

Foto: reprodução redes sociais

Fetranspor divulgou nota repudiando o ataque criminoso

ALEXANDRE PELEGI

Um ônibus do sistema municipal do transporte público do Rio de Janeiro foi incendiado na Zona Oeste da cidade na tarde desta terça-feira, dia 4 de setembro de 2018.

A Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro – Fetranspor informa ser este o 18º ônibus queimado na capital e o 34° em todo o Estado em 2018.

Policiais do 27ºBPM (Santa Cruz) foram chamados pelo disque-denúncia e encontraram o veículo em chamas. O coletivo faz a linha 756 (Santa Cruz x Coelho Neto), e o motorista foi levado para depor na 36ªDP.

A Federação divulgou nota sobre mais um caso de ônibus incendiado na capital. Leia a nota na íntegra:

“A Fetranspor repudia o ataque criminoso ao ônibus que fazia a linha 756 (Santa Cruz x Coelho Neto) na tarde desta terça-feira (4), nas imediações da comunidade Antares, em Santa Cruz, Zona Oeste do Rio. Este é 18º ônibus queimado na capital e o 34° em todo o Estado desde o início do ano.

Com este caso, sobe para 172 o número de ônibus atacados de forma criminosa em todo o Estado, desde 2016. Apenas seis foram recuperados. O custo de reposição é superior a R$ 74 milhões. Vale lembrar que a população é a mais prejudicada nestas situações com a redução da oferta de transportes. Um ônibus incendiado deixa de transportar cerca de 70 mil passageiros em seis meses, tempo necessário para a reposição de um veículo no sistema. Se somarmos a frota incendiada desde 2016 (172), potencialmente, deixaram de ser transportados mais de 10 milhões de passageiros nesses veículos.

É importante lembrar que a inexistência de seguro para este tipo de sinistro e a crise econômica do setor, que tem feito as empresas perderem gradativamente a capacidade de investimento em renovação da frota, tornam inviável a reposição de ônibus incendiados.”

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta