Moreira Franco quer ampliar acesso livre à energia, o que pode beneficiar pequenos frotistas de veículos elétricos.

Miniônibus 100% elétrico em operação na cidade de Santos. Foto: Guilherme Estevan (Ônibus Brasil) / Clique para ampliar

Ministro de Minas e Energia propõe livre comércio também para quem tem demanda contratada menor que 500 quilowatts (KW)

ADAMO BAZANI

O Ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, propôs nesta terça-feira, 07 de agosto de 2018, um estudo para ampliar o acesso de pequenos e médios consumidores ao livre mercado de energia elétrica.

A medida, segundo Moreira Franco, deve baratear o custo de energia elétrica do país com o aumento da concorrência.

Atualmente, apenas os consumidores que possuem demanda contratada acima de 500 quilowatts (KW) podem negociar preços, formas de pagamento e período de fornecimento com diferentes empresas.

Abaixo deste consumo, os consumidores só podem usar a energia fornecida pela concessionária, que tem tarifas fixas e sem margem de negociação.

Na prática, a sugestão pode beneficiar consumidores residenciais e pequenos negócios, inclusive quem possui veículos elétricos.

Além de carros, a indústria no Brasil apresentou veículos comerciais de pequeno e médio portes elétricos, como a van e-Daily da Iveco, o e-Delivery  (caminhão de pequeno porte da MAN/Eletra) e Access.E (miniônibus da BYD em parceria com a Volare).

O caminhão é testado pela Ambev e o pequeno ônibus opera em sistemas como de Santos, no Litoral Paulista, pela Viação Piracicabana. Ambas são grandes empresas, mas os tipos destes veículos são também indicados para pequenos negócios.

“É importante que paguem pelo que consomem e, quando organizem o seu orçamento, façam a opção. É um esforço que temos que perseguir com muita perseverança. O setor tem pessoas muito qualificadas e tenho certeza que tanto no ministério, as empresas, a agência reguladora e os que trabalham no setor, que cada vez mais se diversifica, vamos permitir que possamos cumprir esse objetivo, que é garantir energia limpa e a preço justo”, disse o ministro à Agência Brasil, após a cerimônia de abertura da 9ª edição do Brazil Windpower, no Rio de Janeiro.

Moreira Franco ainda lamentou o adiamento da decisão do Senado em dar um parecer sobre a venda da Eletrobrás e disse que os leilões de distribuidoras, como no Piauí são exemplos bem sucedidos de que é possível baixar preços de energia e tornar os valores mais semelhantes entre todas as regiões do País.

“Temos que acabar com esse apartheid energético, onde se tem grande população brasileira, em vários estados do Nordeste pagando energia caríssima e impondo aos outros brasileiros, porque ela também é rateada com todo consumidor brasileiro, um preço que não se justifica. Os resultados positivos temos agora. Não é uma questão teórica” – disse à Agência Brasil, defendendo que novos leilões ocorram ainda neste mês.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: