Prefeito de Mogi Mirim determina suspensão da integração de ônibus

Representantes da empresa assinaram uma notificação e acataram a decisão do prefeito. Foto: Divulgação.

Empresa terá que retomar itinerários aplicados antes de o sistema entrar em vigor

JESSICA MARQUES

O prefeito de Mogi Mirim, em São Paulo, Carlos Nelson Bueno, determinou a suspensão da integração de ônibus na cidade. Com isso, a empresa Fênix deve retomar os itinerários e horários aplicados antes de o sistema entrar em vigor.

O sistema de integração dos ônibus de Mogi Mirim, em São Paulo, teve a operação iniciada nesta quinta-feira, 12 de julho de 2018. Contudo, os passageiros relataram falhas na cobrança de tarifa no primeiro dia de funcionamento, além de outros transtornos.

Relembre: Mogi Mirim (SP) começa a operar sistema de integração de ônibus

Segundo informações da Prefeitura, os horários e itinerários deverão ser retomados a partir de sexta-feira, 20 de julho.

“Por meio de notificação feita pela Secretaria de Suprimentos e Qualidade, a empresa terá que voltar com os itinerários antigos e terá 20 dias para implantar um novo Sistema Integração que se adeque à necessidade dos usuários, sem que os mesmos sejam prejudicados em seus deslocamentos” — informou a Prefeitura, em nota.

“É inaceitável que os usuários do transporte coletivo, que deveriam ser beneficiados com a integração, estejam descontentes com a mudança feita pela empresa. Exijo o retorno imediato dos horários e um estudo rápido da empresa, sob o acompanhamento da Secretaria de Transportes, para implantar o sistema de forma a beneficiar e não confundir a população” — afirmou o prefeito.

Ainda segundo a Prefeitura, um novo sistema de integração será criado, sem alterar os itinerários já aplicados atualmente. Nesta quarta-feira, 18 de julho, representantes da empresa assinaram uma notificação e acataram a decisão do prefeito, sob pena de providências legais previstas no contrato de concessão em caso de descumprimento.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta