Greve de motoristas de ônibus intermunicipais do Ceará paralisa parte da frota

Foto: Henrique Barreto (Fortalbus) Garagem da Viametro foi alvo de manifestação do sindicato dos motoristas

Sindicato da categoria realizou manifestações em terminais de Fortaleza e Juazeiro

ALEXANDRE PELEGI

A greve de motoristas de ônibus intermunicipais e interestaduais do Ceará começou nesta terça-feira, dia 10 de julho, com a realização durante a madrugada de manifestações no Terminal Rodoviário de Juazeiro do Norte. No começo da manhã foi a vez da Rodoviária Engenheiro João Thomé, em Fortaleza, ser palco dos grevistas.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Transporte Rodoviário de Passageiros Intermunicipal e Interestadual (Sinteti), Carlos Jefferson, afirmou que a paralisação atingiu menos de 50% da frota em todo o estado.

O que para o sindicato dos motoristas foi um movimento legítimo e legal, seguindo todas as determinações da legislação, para o Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Intermunicipal e Interestadual do Ceará (Sinterônibus) a atitude paredista foi ilegal.

Em entrevista ao Diário do Nordeste o presidente do Sinterônibus, Mário Albuquerque, afirmou: “Se você quer cruzar os braços e manifestar, sem problema. Mas não pode é impedir o passageiro que quer trabalhar de chegar ao seu destino. É um crime“.

A greve foi decidida em assembleia dos motoristas realizada no dia 4 de julho. A redução da jornada de trabalho proposta pelo Sindicato das Empresas é um dos pontos de forte discordância. De acordo com o sindicato dos trabalhadores a proposta reduziria em mais de 50% os salários da categoria.

Em Juazeiro do Norte, distante 500 km da capital Fortaleza, a greve começou nesta terça-feira com o bloqueio da garagem da empresa Viametro, que opera o transporte intermunicipal entre Juazeiro, Crato, Barbalha e Missão Velha.

Apesar da pressão sindical, com piquetes e manifestações, nenhuma linha foi cancelada em Juazeiro.

Alexandre Pelegi, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta