Após protesto e cancelamento de viagens, trabalhadores da Expresso Amarelinho conseguem acordo

Empresa informou que concederia reajuste salarial de 3% e categoria aceitou

JESSICA MARQUES

Na manhã desta quarta-feira, 11 de julho de 2018, trabalhadores da Viação Expresso Amarelinho cruzaram os braços. Por conta disso, viagens de Itapetininga a Sorocaba, no interior de São Paulo, tiveram que ser canceladas.

O protesto ocorreu porque a categoria reivindicava reajuste salarial. Após três horas de reunião e o cancelamento das viagens, a empresa informou que concederia reajuste salarial de 3% e a categoria decidiu aceitar.

De acordo com informações da TV TEM, a direção da empresa afirmou que nos últimos cinco anos o aumento salarial dos funcionários superou a inflação e, por neste ano não ter havido reajuste na tarifa, foi sugerida apenas a reposição da inflação.

O reajuste é válido até maio de 2019, segundo a empresa. Após o acordo, a garagem foi liberada e os ônibus voltaram a circular na tarde desta quarta.

Ao todo, foram afetadas sete linhas em Itapetininga e alguns veículos não circularam em Sorocaba. Capão Bonito, Buri, Guapiara, Apiaí, Itapeva, Itararé e Itaberá também foram afetadas, no interior de São Paulo.

 

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: