Marcopolo deixa de usar denominação “Torino S” como estratégia comercial no segmento de urbanos

À esquerda Torino (com o padrão de 2014) ao lado do Torino S (branco) na Marcopolo Rio (Foto: Adamo Bazani – arquivo: maio/2017)

A linha, entretanto, continua com as duas opções de configuração, a lançada em 2014 e a mais simples, apresentada em maio de 2017

ADAMO BAZANI

Certamente, o Torino é um dos modelos de ônibus mais longevos da história dos transportes brasileiros.

Lançado em 1983 e destinado aos serviços urbanos e metropolitanos, o Torino teve várias versões ao longo destes 35 anos e conquistou alguns marcos, como estar entre os ônibus mais vendidos do País, com aproximadamente 120 mil unidades nestas décadas, e ser um dos primeiros modelos de biarticulados em Curitiba.

Relembre a história do Torino aqui:

https://diariodotransporte.com.br/2016/08/21/historia-torino-nome-forte-que-vence-as-decadas/

Aproveitando o momento atual, de crescimento de vendas de ônibus urbanos, a Marcopolo S.A. reforça suas estratégias comerciais no segmento.

O país começa a passar, mesmo que timidamente, por um processo de recuperação, depois de uma crise que se arrastava desde 2014, e, ano eleitoral, sempre auxilia nas vendas de ônibus. Em especial dos urbanos.

Como mostrou o Diário do Transporte, segundo dados divulgados pela Anfavea – Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores, a produção de ônibus registrou um aumento de 49,7% no primeiro semestre de 2018 em comparação ao mesmo período de 2017.

O segmento de ônibus urbanos teve um crescimento mais representativo, de 57,1%, passando de 7.244 chassis produzidos no primeiro semestre de 2017  para 11.377 em semelhante período de 2018. A fabricação de rodoviários, por sua vez, teve um aumento de 30,3%, passando de 2.729 para 3.556.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2018/07/06/producao-de-onibus-tem-alta-de-497-no-primeiro-semestre-de-2018/

E, num momento de recuperação e no âmbito de um mercado competitivo, fortalecer marca em vez de dividir parece ser a melhor opção.

O Diário do Transporte apurou junto à Marcopolo que a linha do urbano mais vendido da empresa deixa de ter as denominações Torino e Torino S. O produto passa a ser chamado apenas de Torino, mas as duas opções de configuração continuam normalmente.

A atual geração do Torino foi lançada em 2013/2014 e o Torino S, considerado um produto mais simples, foi apresentado oficialmente à imprensa especializada em maio de 2017.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2017/05/11/marcoplo-lanca-torino-s-com-enfase-na-manutencao-e-operacao/

O “S” de Soluzione traz algumas características que o mercado de ônibus pedia e que simplificaram limpeza, manutenção e reposição de peças, como saia (parte inferior) reta, faróis traseiros redondos que podem ser trocados separadamente (luz de direção, de ré e lanterna), sinaleiras e faróis dianteiros redondos e intercambiáveis, além de para-choque traseiro dividido em três partes. A placa da traseira é afixada acima do para-choque.

Estas características fizeram com que a procura pela versão “S” semanas depois do lançamento fosse significativa.

O Torino com as características de 2014 continua também sendo oferecido.

A Marcopolo S.A. também tem outro trunfo para manter e ampliar participação entre os urbanos: a fabricante Neobus que deu prioridade ao segmento.

Recentemente, a Neobus divulgou o lançamento do modelo New MEGA, que atende à mesma categoria do Torino, tanto para chassis de PBT de 15 toneladas ou PBT de 17 toneladas.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2018/06/28/novo-onibus-urbano-da-neobus-chega-ao-mercado/

A briga no segmento é intensa.

De acordo com a Fabus – Associação Nacional das Fabricantes de Ônibus, que reúne as principais encarroçadoras do país, entre janeiro e maio (o dado mais recente), a maior concorrente, Caio Induscar registrou produção de 1751 ônibus, a grande maioria para aplicações urbanas. A Marcopolo Rio, especializada em urbanos, produziu 1457 carrocerias.

Somando todas as empresas da Marcopolo S.A. que surgem no ranking da Fabus, Marcopolo, Marcopolo Rio e Neobus, nos cinco primeiros meses deste ano foram produzidas quase quatro mil carrocerias de diversos segmentos (3938), ou mais da metade de toda a produção apurada pela Fabus, que soma 7117 unidades.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. MARCOS NASCIMENTO disse:

    Eu não quero nem saber. Irei continuar cadastrando esse TORINO 2014 que é o TORINO G8 e o outro TORINO 2017 que é o TORINO S com esses nomes para poder diferenciar nos cadastros de frotas o que é um e o que é outro. Essa MARCOPOLO sempre foi uma porcaria nessa questão de fazer confusão com os nomes e subtítulos dos nomes dos modelos. Antes foi com o GRAN VIALE que virou simplesmente VIALE mas que eu cadastro como VIALE II (embora em nada lembre o VIALE produzido entre 1998 e 2008). EsseVIALE II na verdade é um TORINO G7 (TORINO 2007) melhorado porque é usado somente com motores pesados. Não existe VIALE II ou GRAN VIALE com motor dianteiro por exemplo. De qualquer forma desde sempre essa MARCOPOLO sempre fez confusão com os nomes dos modelos. No começo dos anos 70 existiam dois VENEZAS, um com teto quadrado lançado em 1971 e outro com teto arredondado e design antigo similar ao NICOLA (nome que a era usado pela Marcopolo até 1970) isso porque com a compra da ELIZIARIO em 1970 decidiram fundar o nome MARCOPOLO e extinguir as marcas ELIZIÁRIO E NICOLA. O nome ELIZIÁRIO aparece na plaquinha interna de TODOS os Veneza e Veneza II mas externamente os onibus tinham logotipo da MPOLO e não da NICOLA ou ELIZIÁRIO.
    Uma coisa é certa, enquanto muitos busólogos passarão a chamar tudo de TORINO.Lá na frente eles não se entenderão e não conseguirão diferenciar um do outro quando observarem os cadastros de frotas. Eu não, irei fazer as distinções de um e de outro mesmo porquê haverão empresas que comprarão o TORINO G8 2014 depois comprarão o TORINO 2017 S e voltarão a comprar o TORINO 2014 como já está ocorrendo.

  2. Clayton Pires De Araujo disse:

    Não existe Torino G8! Nem o Torino e nem o senior acompanha a geração de rodoviários segundo a Marcopolo! Os torinos 99 vieram até 2001 constando na plaqueta e documento como “Torino GV” apartir de 2001 vieram como “Torino GVU”, a geração seguinte de 2007 ficou até 2009/2010 constando no documento e plaqueta “Torino GVU”, após esses anos viveram constando “Torino U”.. isso foi até a geração de 2014

Deixe uma resposta para Clayton Pires De Araujo Cancelar resposta