Motoristas de ônibus intermunicipais entram em greve no sábado, no Ceará

Categoria definiu paralisação por tempo indeterminado

JESSICA MARQUES

Os motoristas dos ônibus intermunicipais do Ceará decidiram entrar em greve neste sábado, 7 de julho de 2018. A categoria informou que a paralisação terá tempo indeterminado e foi definida nesta quarta-feira, 4 de julho.

A greve foi definida após negociação com o sindicato patronal, que ofereceu reajuste salarial de 3%, aumento de R$ 0,50 no vale refeição, de R$ 10 na cesta básica e de uma jornada reduzida de 44 horas semanais para 24 horas semanais, segundo informações da Tribuna do Ceará. Os trabalhadores rejeitaram a proposta.

O presidente do Sinteti (Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Transporte Rodoviário de Passageiros Intermunicipal e Interestadual), Carlos Jeferson, informou à Tribuna do Ceará que a proposta que parte da classe empresarial inclui a redução de até metade do salário dos motoristas. A categoria também teme demissões.

Segundo informações do sindicato dos trabalhadores, em algumas empresas, os profissionais estariam sendo obrigados a assinar um termo aditivo que concorda com o fim da hora extra, com compensação em até seis meses.

Além disso, o termo também prevê fim do passe livre para rodoviários, mudança de data de pagamento do terceiro para o quinto dia útil, intervalo de jornada reduzida de 11 para 8 horas e outras medidas.

O presidente do Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo Intermunicipal e Interestadual do Ceará, Mário Albuquerque, informou ao portal que o termo de aditivo é uma autorização do desconto dos planos de saúde na folha de pagamento.

“Serão vários funcionários de 44 horas semanais e alguns de 24 horas semanais, conforme a nova legislação passou a permitir. Há tabelas de horários em que o motorista só pode fazer 2 horas extras, mas a empresa precisa que ele fique por mais de 2 horas” – explicou Albuquerque.

O presidente do sindicato patronal também explicou que os motoristas com carga-horária reduzida iriam representar de 10% a 20% do quadro de funcionários.

a última rodada de negociação foi realizada em 15 de junho, no Ministério do Trabalho. Na ocasião, o Sinterônibus havia proposto jornada de trabalho reduzida de 44h para 24h.

Para a categoria, as empresas querem implantar a reforma trabalhista demitindo funcionários antigos e contratando novos rodoviários pela metade do salário.

Durante a negociação, a proposta de reajuste salarial da categoria voltou ao percentual 1,69%, ficou estabelecido R$0,22 no vale alimentação e R$2,11 na cesta básica.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta