Temer recorre à iniciativa privada para a construção de ferrovias

Entre os projetos está o Ferroanel Norte, que será um ramal ferroviário de 53 quilômetros de extensão que interligará as estações de Perus, em São Paulo, e de Manoel Feio, em Itaquaquecetuba

Projetos propostos para o setor ferroviário não serão entregues e concessionárias poderão renovar contratos por 30 anos

JESSICA MARQUES

O presidente Michel Temer decidiu recorrer à iniciativa privada para concluir a construção de ferrovias no Brasil, segundo informações do jornal O Globo. Os projetos propostos para o setor ferroviário não serão entregues dentro do prazo previsto.

Com isso, a responsabilidade de executar algumas obras será passada para concessionárias de ferrovias, que poderão renovar os contratos por mais 30 anos quando ocorrer o vencimento. Neste caso, a vigência seria até 2057.

Em troca da renovação, as empresas vão construir outras ferrovias que serão, posteriormente, licitadas pelo governo. Como contrapartida, a União abrirá mão de outorgas.

Conforme antecipado pelo jornal O Globo, dois projetos nestes moldes estão previstos para serem anunciados nesta segunda-feira, 2 de julho de 2018, em reunião do Conselho do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos).

Os projetos são a Ferrovia de Integração Centro-Oeste (Fico), que será construída pela Vale, e o Ferroanel de São Paulo, pela MRS Logística. O investimento total previsto é de R$ 9 bilhões, para os próximos cinco anos. Quando as obras estiverem concluídas, as ferrovias serão licitadas.

OS PROJETOS

Inicialmente, a Fico ligaria os estados de Goiás e Rondônia, uma extensão de 1.641 quilômetros. Agora, a linha que será entregue pela Vale terá apenas 383 quilômetros, para conectar Água Boa, em Mato Grosso, a Campinorte, em Goiás.

Segundo O Globo, a Vale vai gastar R$ 4 bilhões para construir a Fico e renovar, antecipadamente, os contratos de concessão das estradas de ferro Carajás e Vitória-Minas.

A Fico já tem projeto básico, licença prévia e os estudos de viabilidade econômica e ambiental foram aprovados pelo TCU (Tribunal de Contas da União).

O Ferroanel Norte será um ramal ferroviário de 53 quilômetros de extensão que interligará as estações de Perus, em São Paulo, e de Manoel Feio, em Itaquaquecetuba, em área contígua ao traçado do Rodoanel. A cargo da MRS, a obra é orçada em R$ 5 bilhões.

Segundo informações da Dersa, “a implantação possibilitará que os trens de carga que hoje compartilham os mesmos trilhos com os trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) sejam desviados, eliminando o conflito entre cargas e passageiros nos trilhos que cortam o interior da metrópole”.

Projeto do Ferroanel.

Ao Globo, a Vale confirmou o interesse na renovação das concessões, mas disse que aguardará o anúncio da Fico para comentar o projeto. O diretor de Relações Institucionais da MRS, Gustavo Bambini, por sua vez, afirmou ao Globo que a empresa está negociando com o governo a construção do Ferroanel de São Paulo.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Élio J. B. Camargo disse:

    Em lugar do proposto ferroanel, com este enorme custo, deveriam duplicar nova linha dupla na antiga Santos-Jundiaí (CPTM 7 e 10), usando-a também para linha expressa no horário de pico. Resolveriam 2 problemas.

Deixe uma resposta