Integração de ônibus em Mogi Mirim (SP) é adiada

O projeto previa a instalação de dois novos pontos na Rua Acrísio da Gama e Silva, no trecho localizado entre o Jardim Velho e a rua Ulhôa Cintra. Foto: Divulgação.

Moradores resistem ao sistema que seria implantado no Jardim Velho na primeira quinzena de julho

JESSICA MARQUES

A integração de ônibus no Jardim Velho, em Mogi Mirim, São Paulo, foi adiada. Segundo informações da Prefeitura, os moradores estão resistindo ao sistema, que seria implantado na primeira quinzena de julho.

O local escolhido pela Secretaria de Transporte, Trânsito e Serviços foi a praça Floriano Peixoto, popularmente conhecida como “Jardim Velho”. Segundo informações da Prefeitura, a região concentra o maior número de linhas.

A iniciativa foi paralisada porque alguns moradores não aprovaram a medida, segundo o secretário da Pasta, José Paulo da Silva. “Contudo, essa resistência se contrapõe a maioria de passageiros e comerciantes que já esperavam pelo início do serviço de integração entre os ônibus” – informou a Prefeitura de Mogi Mirim, em nota.

O projeto previa a instalação de dois novos pontos na Rua Acrísio da Gama e Silva, no trecho localizado entre o Jardim Velho e a rua Ulhôa Cintra. No local, segundo a Prefeitura, o ponto de táxi seria desativado para o início da obra de construção de plataformas, que ficariam com a mesma delimitação que a rua da praça.

No local, seria o embarque dos ônibus destinados à integração. “Para o acesso ao serviço, o passageiro teria uma hora de intervalo, com uma única passagem, para pegar o ônibus para a UPA ou qualquer outra localidade do centro para a zona Leste ou vice-versa, por exemplo” – explicou o secretário.

“As negociações com a empresa de transporte, como os materiais de divulgação, já estavam teoricamente prontas. Agora fica tudo estagnado na espera por novos estudos, já que os alguns moradores criaram resistência” – completou.

Durante o período de espera, a Prefeitura informou que fará mais estudos para elencar outros locais que possam ser utilizados no sistema de integração, como por exemplo, o Espaço Cidadão.

“Serão análises, mas se continuar comprovado que o melhor local é o Jardim Velho, não teremos como mudar” – afirmou o secretário. “O sistema integração consiste no uso de um cartão magnético, rastreado via satélite, que permitirá ao passageiro fazer o uso de duas viagens com uma única passagem” – explicou.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

Deixe uma resposta