Representantes de caminhoneiros denunciam descumprimento de tabela do frete

Foto: Adamo Bazani (meramente ilustrativa.

Sindicalistas afirmaram que preços mínimos não estão sendo respeitados

JESSICA MARQUES

Representantes de caminhoneiros autônomos denunciaram o descumprimento da tabela do frete. Os preços mínimos para o transporte de cargas foram instituídos após a Medida Provisória 832/2018.

A ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) publicou uma tabela definindo os fretes por quilômetro rodado, de acordo com a carga e o número de eixos dos veículos. Contudo, os caminhoneiros autônomos, que defendem o tabelamento, afirmam que há resistência e os valores mínimos não estão sendo respeitados.

Nesta terça-feira, 26 de junho de 2018, os representantes dos caminhoneiros autônomos defenderam o tabelamento do frete, segundo informações da Agência Senado.

“Nós estamos tendo muita dificuldade ainda em conseguir fazer com que se cumpra essa lei, imagina [sem ela]. Acabamos sendo explorados por alguém do negócio, que envolve o agro e o transporte” — disse Janir Bottego, presidente do Sindicado dos Transportes Autônomos de Carga do Sudeste do Paraná.

O relator, deputado Osmar Terra, anunciou que pretende apresentar um relatório na próxima semana. Além disso, o parlamentar espera que a votação ocorra o mais breve possível, para acabar com questionamentos judiciais que estão sendo usados como motivos para não cumprir a tabela.

“Nós vamos procurar agir da maneira mais rápida possível, porque a nossa preocupação vai ser aprovar o nosso relatório na comissão e no Plenário antes do recesso” — prometeu.

Conforme publicado pelo Diário do Transporte, as empresas de transporte de carga estão descumprindo o preço mínimo do frete para poder retomar os trabalhos. Mesmo correndo o risco de serem punidos, os motoristas optaram por aceitar um valor mais baixo, para não ficarem sem faturamento.

Relembre: Empresas descumprem tabela de frete para retomar transporte de carga

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta