Operação reduzida de ônibus durante greve dos caminhoneiros gerou prejuízo de R$ 5,8 bi, segundo a NTU

O estudo da NTU considerou o transporte público de 23 capitais durante os oito dias de paralisação. Foto: Adamo Bazani

Levantamento da Associação de Empresas de Transportes Urbanos mostra que 51,9 milhões de viagens deixaram de ser feitas nos oito dias de paralisação

JESSICA MARQUES

A operação de ônibus com frota reduzida durante a greve dos caminhoneiros, que ocorreu nas últimas semanas de maio, gerou um prejuízo de R$ 5,8 bilhões.

O levantamento foi feito pela NTU (Associação de Empresas de Transportes Urbanos), que reúne em torno de 500 empresas de ônibus em todo o País. O estudo mostra que 519, milhões de viagens deixaram de ser feitas nos oito dias de paralisação.

A perda foi calculada considerando a baixa na produtividade no mercado de trabalho por conta das horas não trabalhadas por quem depende do transporte público (R$ 5,6 bilhões) e da queda no faturamento das empresas de ônibus e reposição de ônibus incendiados ou depredados (R$ 191,8 milhões).

O estudo da NTU considerou o transporte público de 23 capitais durante os oito dias de paralisação. A greve dos caminhoneiros foi realizada de 21 a 30 de maio, mas os ônibus ficaram sem combustível a partir do dia 23, quando as frotas começaram a ser reduzidas em todo o país.

Para calcular a perda de produtividade no mercado de trabalho, a NTU considerou o custo médio de R$ 8,98 por hora de trabalho do brasileiro, medido pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, considerando que os passageiros não conseguiram chegar ao trabalho.

Na capital paulista, os ônibus chegaram a circular com 60% da frota e o rodízio de veículos chegou a ser suspenso. Outros municípios brasileiros também adotaram medidas semelhantes.

Relembre: Frota reduzida de ônibus, rodízio suspenso em São Paulo, bloqueio em vias urbanas e rodovias. Acompanhe em tempo real o 4º dia de greve dos caminhoneiros

Em maio, a NTU divulgou uma nota dizendo que entre janeiro e meados de maio deste ano as empresas de ônibus acumularam perdas de em torno de R$ 1 bilhão por causa dos aumentos consecutivos do preço do óleo diesel.

Relembre: Empresas de ônibus dizem que acumularam prejuízos de R$ 1 bilhão neste ano por causa do aumento de 11% no diesel entre janeiro e maio

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta