Estudo mostra que Brasil será dependente de rodovias até 2035

Dependência ficou evidente durante a greve dos caminhoneiros

Fundação Dom Cabral mostra que não haverá mudança significativa na matriz brasileira de transporte, mesmo que projetos em andamento sejam implementados

JESSICA MARQUES

Um estudo da FDC (Fundação Dom Cabral) mostra que o Brasil será dependente de rodovias até 2035. A dependência ficou evidente durante a greve dos caminhoneiros, que afetou vários setores na última semana de maio, quando o transporte rodoviário foi afetado.

Segundo o estudo, mesmo que projetos que estão em andamento sejam implementados no país, não haverá mudança significativa na matriz brasileira de transporte. As chances de o cenário se manter são maiores caso nada mais seja proposto na área para os próximos 20 anos.

A FDC estima que o custo total com transporte no Brasil tenha chegado a R$ 166 bilhões em 2015 (ano usado como base para os cenários), com 70% desse montante consumido nas rodovias.

Para 2035, a projeção é de que os custos atinjam R$ 233,3 bilhões, com 68% dos custos nas rodovias. “Caso os principais projetos federais nos setores de rodovias, portos, hidrovias e ferrovias saiam do papel até 2025 e nada mais seja feito até 2035, o custo logístico dos embarcadores de carga subirá quase R$ 130 bilhões” — informou a FDC.

“E esse custo vai para algum lugar. Ou cai a margem das empresas, ou é repassado ao consumidor final” — afirmou Paulo Resende, coordenador do Núcleo de Logística, Infraestrutura e Supply Chain da FDC, por meio de nota.

A Fundação informou que, se 10% da carga transportada em rodovias (medidas em toneladas por quilômetro útil, TKU) fosse transferida para as ferrovias, haveria uma economia de custo de 2,4%, equivalente a R$ 4,85 bilhões em 2025 e R$ 5,6 bilhões em 2035.

Se as hidrovias assumirem o papel, por sua vez, a economia de custo seria  maior ainda, de 4,5%, correspondendo a R$ 8,92 bilhões em 2025 e R$ 10,3 bilhões em 2035.

Apesar de os números serem animadores, a FDC reforçou que, no curto prazo, o planejamento público para o setor deve considerar as rodovias. “A concentração de fluxos de cargas não permite, de forma nenhuma, que o Brasil tome a decisão brusca de, de repente, partir para a ferrovia e a hidrovia e esquecer das rodovias para transporte de longa distância” — disse Resende.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Gilvan disse:

    Brasil ja é dependente das rodovias.

Deixe uma resposta