Pesquisa mostra que 90% dos ciclistas do Rio de Janeiro usam bicicleta para trabalhar

As questões foram feitas a 850 ciclistas entre janeiro e março de 2018.

Estudo foi feito pelo Labmob da UFRJ e mostrou que 56% do total também utiliza o meio de transporte como lazer

JESSICA MARQUES

Uma pesquisa mostrou que 90% dos ciclistas do Rio de Janeiro usam bicicleta para trabalhar. O estudo foi feito pelo laboratório de mobilidade sustentável (Labmob) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), em parceria com a ONG Transporte Ativo.

De acordo com a pesquisa, 56% das pessoas que responderam afirmaram que utilizam o meio de transporte para o lazer. O percentual foi possível porque era permitido escolher mais de uma alternativa.

As questões foram feitas a 850 ciclistas entre janeiro e março de 2018. No mesmo estudo, chegou-se ao resultado de que 56% dos entrevistados ganham até três salários mínimos por mês.

“A maior parte dos ciclistas é de baixa renda e usa a bicicleta para não ter que pagar duas passagens. É preciso construir ciclovias também na Zona Norte e em bairros pobres da Zona Oeste, para além da Barra e do Recreio” — disse Victor Andrade, coordenador do Labmob, no encerramento da Velo-City, maior conferência mundial sobre bicicleta, realizada no Píer Mauá, segundo informações do jornal O Globo.

A Velo-City, criada na Europa, ocorre pela primeira vez na América Latina, na última semana, no Rio de Janeiro. O evento permite troca de experiências internacionais, por meio de estudos e relatos.

Além do prefeito do Rio de Janeiro, estiveram presentes no evento o ministro de governo da Região de Bruxelas, na Bélgica, responsável por mobilidade e serviços públicos, Pascal Smet; e o vice-prefeito de Paris para assuntos relacionados à mobilidade, Christophe Nadjovski, que é também presidente da Federação de Ciclistas da Europa (ECT, na sigla em inglês), parceira da Prefeitura do Rio na organização da Velo-City de 2018. Também participaram da mesa os secretários municipais de Urbanismo, Infraestrutura e Habitação, Verena Andreatta; e de Conservação e Meio Ambiente, Roberto Nascimento.

O tema da Velo-City no Rio de Janeiro, que teve início na terça-feira passada, é “Acesso à Vida”. Na definição da própria organização do evento, o tema pode ser traduzido da seguinte forma: “Aprenda a viver para alcançar Felicidade e Qualidade de Vida, pois precisamos Integrar a Vida e o Transporte, gerando uma Economia Viva”.

Relembre: Prefeito do Rio de Janeiro debate uso de bicicleta

HISTÓRIA DO EVENTO

A Velo-City começou em 1980, em Bremen, na Alemanha e inspirou a criação da Federação Europeia de Ciclistas (ECF), em 1983, atual organizadora do evento. A conferência acontece em cidades que investem em ciclovias e na cultura do ciclismo como transporte e meio de vida. A próxima edição, em 2019, será em Dublin, na Irlanda, e no ano seguinte o evento chegará à Cidade do México.

Veja os locais e os anos das edições anteriores:

 

2017 – Arnhem and Nijmegen, Holanda

 

2016 – Taipei, Taiwan

 

2015 – Nantes, França

 

2014 – Adelaide, Austrália

 

2013 – Viena, Áustria

 

2012 – Vancouver, Canadá

 

2011 – Sevilha, Espanha

 

2010 – Copenhague, Dinamarca

 

2009 – Bruxelas, Bélgica

 

2007 – Munique, Alemanha

 

2005 – Dublin, Irlanda

 

2003 – Paris, França

 

2001 – Edimburgo e Glasgow, Escócia

 

1999 – Graz, Áustria, e Maribor, Eslovênia

 

1997 – Barcelona, Espanha

 

1996 – Ferrara, Itália

 

1995 – Basel, Suíça

 

1993 – Nottingham, Inglaterra

 

1992 – Montreal, Canadá

 

1991 – Milão, Itália

 

1989 – Copenhague, Dinamarca

 

1987 – Groningen, Holanda

 

1984 – Londres, Inglaterra

 

1980 – Bremen, Alemanha.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Deixe uma resposta