Um dia depois de reunião com prefeitura, motoristas de ônibus em Sumaré continuam sendo vítimas de violência. “Perueiros” são suspeitos

Veículo do transporte complementar de Sumaré – Foto meramente ilustrativa

Condutor da empresa Ouro Verde registrou Boletim de Ocorrência relatando ameaças de motorista e cobrador de van

ADAMO BAZANI

Motoristas de ônibus urbanos e metropolitanos que circulam pela cidade de Sumaré, no interior paulista, continuam relatando casos de ameaças e agressões que teriam sido cometidas por “perueiros” do sistema de transporte complementar.

Na tarde desta quarta-feira, por volta das 16h00, um motorista de ônibus da Viação Ouro Verde diz que foi perseguido e cercado por um condutor e um cobrador de uma van.

O caso aconteceu na Avenida da Saudade, onde já teriam ocorrido outros atos de violência contra profissionais de empresas de ônibus.

O boletim de ocorrência foi registrado nesta quinta-feira, 14. O motorista do ônibus relatou que o condutor da van do transporte alternativo teria se irritado por ter sido ultrapassado pelo veículo menor.

Ainda de acordo com o BO, ao qual o Diário do Transporte teve acesso, o motorista da van alcançou o ônibus e durante o trajeto fechou o ônibus duas vezes.

Quando o ônibus chegou ao ponto final, ainda de acordo com o relato do motorista, o condutor da van e o cobrador se dirigiram à porta dianteira do coletivo e fizeram mais ameaças.

Com medo, o motorista de ônibus não saiu do veículo e não quis mais trabalhar no dia.

O caso aconteceu mesmo depois de uma reunião realizada ontem entre a prefeitura, sindicato dos motoristas e cobradores da região, representantes das empresas de ônibus e dos perueiros.

Conforme mostrou o Diário do Transporte, desde 2013 motoristas de ônibus se dizem ameaçados e agredidos por perueiros.  Já foram vários boletins de ocorrência registrados.

Um dos casos que mais chamaram a atenção foi de uma motorista da Viação Ouro Verde que, no dia 06 de junho de 2018, foi seguida por um motorista do sistema complementar. No ponto final da linha, conforme mostraram imagens das câmeras do ônibus, o perueiro deu socos e feriu o rosto da motorista com o cinto de segurança do coletivo.

A prefeitura disse que o perueiro foi excluído do sistema, mas permitiu que o veículo dele voltasse a prestar serviços em 15 dias.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2018/06/11/bos-mostram-que-violencia-contra-motoristas-de-onibus-por-perueiros-e-problema-antigo-em-sumare-sp/

Por causa da violência, os motoristas de ônibus de Sumaré realizaram uma paralisação na última terça-feira, 12 de junho de 2018.

Relembre:

https://diariodotransporte.com.br/2018/06/12/motoristas-de-sumare-param-onibus-nesta-terca-feira-12-em-protesto-contra-agressoes/

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

2 comentários em Um dia depois de reunião com prefeitura, motoristas de ônibus em Sumaré continuam sendo vítimas de violência. “Perueiros” são suspeitos

  1. Nao sei Se depois de 5 anos eles podem ser considerados suspeitos. Pior ate q a situação dos caminhoneiros e semelhantes a taxis ubers pq a concorrência eh direta. Como a segurança do ônibus eh melhor ganham o passageiro e deixam os perueiros q estao sobrando as minguas. Eles poderiam circular nos buracos entre um ônibus e outro mas preferem ficar na frente só p tomar os passageiros q acreditam na velocidade. Enquanto isso não mudar só ando de ônibus q qse sempre viajo sentado .

  2. Perueiro covarde e idiota, merece ser preso por muito tempo

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: