Ônibus são depredados durante greve dos rodoviários no Rio de Janeiro

Ônibus foi impedido de seguir viagem pela Avenida Brasil, na altura de Bonsucesso. Foto: Reprodução Globo

Veículo da empresa Real foi apedrejado por manifestantes na madrugada desta segunda-feira

JESSICA MARQUES

Nesta segunda-feira, 11 de junho de 2018, os passageiros do Rio de Janeiro amanheceram com dificuldades para utilizar ônibus na cidade, por conta da greve dos rodoviários. Inicialmente, as empresas atingidas foram Ideal, Paranapuan, Real, Redentor, Três Amigos e Barra.

Além da paralisação e da menor quantidade de ônibus nas ruas, alguns veículos também foram depredados por manifestantes, o que causou medo nos passageiros e nos funcionários que decidiram seguir com os serviços.

Nesta manhã, um ônibus foi impedido de seguir viagem pela Avenida Brasil, na altura de Bonsucesso. Um espelho retrovisor do veículo foi quebrado por um manifestante.

Outro veículo, da empresa Real, foi apedrejado por manifestantes ainda na madrugada desta segunda-feira. Na ocasião, um grupo de pessoas parou o ônibus e fez o motorista entregar as chaves.

Juntas, as empresas em greve reúnem cerca de 4.500 funcionários e atendem bairros das zonas Norte, Sul e Oeste.

Entre as reivindicações da categoria estão reajuste de10% nos salários; pagamento de plano de saúde; vale alimentação de R$ 409,50; vale refeição de R$ 480; retorno da data-base para 1º de março; fim do acúmulo de função de motorista e cobrador; suspensão de multas e pontuação para haver prazo maiores para recursos e pagamentos de salários atrasados.

Relembre: Greve de ônibus no Rio de Janeiro afeta parte dos serviços

Prefeito convoca reunião com sindicato

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, convocou uma reunião para esta segunda-feira com o presidente do Sintraturb Rio (Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus do Rio de Janeiro), José Sebastião, segundo informações do jornal O Globo.

Também foram chamados o presidente da Rio Ônibus (representação das empresas da cidade), Cláudio Callak, o secretário municipal de Transportes, Diógenes Dantas, o secretário municipal de Ordem Pública, Paulo Amendola, e procuradores do município.

O prefeito pretende ouvir as reivindicações dos funcionários, que iniciaram a paralisação na madrugada desta segunda-feira.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta