Empresas de ônibus de Campinas estimam prejuízos de R$ 3,6 milhões nos dias de greve de caminhoneiros

Ônibus em Campinas transportaram menos pessoas e frota foi menor

Valor se refere a vandalismo contra 12 ônibus e queda do número de passageiros

ADAMO BAZANI

Queda do número de passageiros transportados e atos de vandalismo.

A soma destes dois fatores resultou num prejuízo estimado em R$ 3,6 milhões durante os dias da greve dos caminhoneiros, entre os dias 21 e 31 de maio, de acordo com cálculos das empresas de ônibus de Campinas, no interior de São Paulo.

Somente em relação à perda da demanda, já que muitas pessoas nem saíram de casa devido à suspensão e diminuição de algumas atividades, as empresas calculam que o impacto foi de mais R$ 1,78 milhão.

As empresas VB Transportes, Itajaí, Pádova, Onicamp e Expresso Campibus dizem que deixaram de ser transportados, nos dias de greve, em torno de 380 mil passageiros pagantes.

“No transporte coletivo, se você deixa de transportar, não tem como recuperar a receita”, disse, em nota, o diretor de Comunicação do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros da Região Metropolitana d Campinas – SetCamp, Paulo Barddal.

A quantidade de ônibus em circulação na cidade teve reduções durante o dia de greve pela diminuição dos estoques de óleo diesel, já que as carretas com o combustível não chegavam às garagens.

VANDALISMO:

Em relação ao vandalismo, as empresas calculam que os prejuízos foram de R$ 1,82 milhão, “sem levar em consideração o lucro cessante”.

Vale destacar, entretanto que, apesar de os atos de vandalismo terem ocorrido nos dias da greve dos caminhoneiros, o ataques não ocorreram por motoristas de caminhão.

Em nota, o SetCamp diz que houve ônibus incendiados e depredados:

“No dia 28 de maio, três ônibus foram incendiados e tiveram perda total em Campinas. Nos dias seguintes, outros nove ônibus foram alvo dos vândalos. O SetCamp e as concessionárias classificaram tais incêndios como atos de terrorismo.

Na semana da greve, outros dois ônibus foram incendiados, sendo que um teve toda a parte frontal destruída no Terminal Campo Grande. Foram ainda oito ônibus apedrejados até a segunda-feira, dia 4, uma semana após o início das manifestações dos caminhoneiros.”

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: