Greve de ônibus em Manaus resulta em prejuízo de R$ 5 milhões às empresas

Durante paralisação, 61 veículos foram danificados durante protestos. Foto: Reprodução.

Mais de 2,1 milhões de passageiros foram afetados durante a semana de paralisação

JESSICA MARQUES

A greve de ônibus de Manaus, no Amazonas, resultou em um prejuízo de R$ 5 milhões às empresas. Além da paralisação das atividades por sete dias, 61 veículos do transporte público urbano foram danificados durante protestos realizados pela população, contra a interrupção do serviço.

Segundo informações do Sinetram (Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas), mais de 2,1 milhões de passageiros foram afetados durante a semana de paralisação.

O fim da greve foi anunciado nesta segunda-feira, 4 de junho de 2018, após acordo entre as partes.

O Sinetram contempla as empresas Açaí Transportes Coletivos Ltda., Global Gnz Empreendimentos e Participações Ltda., Integração Transportes Ltda., Via Verde Transportes Coletivos Ltda., Expresso Coroado Ltda., Rondônia Transportes Ltda., Viação São Pedro Ltda., Auto Ônibus Líder Ltda. e Vega Manaus Transporte de Passageiros Ltda.

Relembre: Após acordo, greve dos rodoviários de Manaus é encerrada

Pelos danos nos 61 veículos, nove pessoas foram detidas. Destas, apenas sete foram presas e autuadas por dano qualificado, por serem pegas em flagrante pelo crime.

Os presos devem ser encaminhados para uma Audiência de Custódia no Fórum Ministro Henoch da Silva Reis, bairro São Francisco, Zona Sul de Manaus.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Rogerio Belda disse:

    Quem vandalizou? Motoristas ou populares? Depredação ou incêndio? Porque estas perguntas impertinentes? Porque a agressão a transporte coletivo [ Ônibus ou Trens ] possue também uma dimensão antropológica ilustrada em um dito popular parisiense sobre a rotina diária:”metrô/boulot /dodõ”, em alusão a “transporte, trabalho e sono” rotina diária obrigatória. Há que considerar também esta dimensão psico-social, na analise de confrontos sociais nas cidades.

Deixe uma resposta para Rogerio Belda Cancelar resposta