Exame toxicológico passa a ser obrigatório para taxistas de Porto Alegre

Obrigatoriedade será após o dia 6 de junho. foto: Joel Vargas/PMPA

Desde 2016, exigência é feita apenas para motoristas de caminhão

JESSICA MARQUES

A partir desta semana, os taxistas de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, terão a obrigatoriedade de passar por um exame toxicológico. Desde 2016, a exigência é feita apenas a motoristas de caminhão.

A nova Lei dos Táxis será publicada em 6 de junho. Com isso, os taxistas deverão se submeter ao exame a cada 12 meses. O teste custa cerca de R$ 200, pago pelo taxista ou pela empresa contratante.

Na clínica, são colhidas amostras de cabelo, unha ou pelos. Se o motorista tiver usado alguma substância ilícita nos últimos seis meses, será detectado no exame. As drogas identificadas são maconha, cocaína, anfetaminas, ecstasy e opiáceos.

A lei também prevê a alteração da cor do veículo, do vermelho para o branco. O taxímetro também só vai ligar por meio de biometria, com a digital do motorista.

Outra mudança é a possibilidade de a corrida ser filmada e acompanhada via GPS. Os taxistas também terão o histórico criminal checado.

Em Porto Alegre, existem 3,9 mil carros na frota de táxis. Além disso, são 10,8 mil motoristas cadastrados na Empresa Pública de Transporte Coletivo, 153 pontos fixos e 177 livres.

Jessica Marques para o Diário do Transporte

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta