Subsídio de R$ 10 bilhões para reduzir preço do diesel seria suficiente para construir mil quilômetros de ferrovia

De acordo com a CNT, 61% do transporte de carga no país é feito por rodovias e apenas 21%, por ferrovias. Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Especialista considera medida como apenas paliativa

JESSICA MARQUES

A greve dos caminhoneiros revelou que há uma grande dependência da malha rodoviária no país. Isso se revela tanto na área de transporte de passageiros quanto no transporte de cargas.

A situação também se revela na resolução da greve da categoria. O ex-diretor da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) Bernardo Figueiredo informou que o subsídio de quase R$ 10 bilhões que será pago pelo governo federal para reduzir o preço do diesel até o fim do ano é um valor suficiente para construir cerca de mil quilômetros de ferrovia.

O especialista disse, em entrevista à Reuters, que o principal projeto para o setor ferroviário no país, neste ano, é um trecho de aproximadamente 1,5 mil quilômetros da ferrovia Norte-Sul, que está em obras desde o governo Lula.

De acordo com a CNT (Confederação Nacional dos Transportes) 61% do transporte de carga no país é feito por rodovias e apenas 21%, por ferrovias. “Nós vamos depender dos caminhões até ter uma rede de ferrovias decente, que não temos e não estamos fazendo o necessário para ter” – disse Figueiredo, em entrevista à Reuters.

O especialista considera a redução do preço do diese uma medida paliativa, pois acredita que o governo não está pensando de forma estratégica, na estrutura do sistema de transportes do país.

De acordo com dados compilados pela ANTF (Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários), o Brasil tem 3,4 quilômetros de ferrovias para cada mil quilômetros quadrados. Nos Estados Unidos, por exemplo, são 22,9 km.

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Rogerio Belda disse:

    Convicção é isso: Marchar resolutamente pra o abismo – Atingiremos o máximo de poluição bem antes do petróleo acabar…

Deixe uma resposta