Bruno Covas vai tirar São Paulo do Estado de emergência e garante diesel para frota de ônibus até sexta-feira

O prefeito Bruno Covas também decretou ponto facultativo na próxima sexta-feira, conforme informado em coletiva.

Prefeito também informou que 71% dos ônibus deve circular nesta quarta-feira, em média

ADAMO BAZANI / JESSICA MARQUES

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas, afirmou que vai tirar São Paulo do estado de emergência nesta quinta-feira, 31 de maio de 2018. O chefe do executivo acredita que não há mais necessidade de manter o decreto.

Bruno Covas também falou que há diesel suficiente para até sexta-feira, pela manhã. Ainda assim, o prefeito acredita que no feriado a situação será normalizada e que mais diesel chegará às empresas de ônibus.

“A situação no dia de hoje, quarta-feira, já é melhor do que a gente tinha na quinta-feira da semana passada, antes da decretação da situação de emergência. Então amanhã sai no Diário Oficial um decreto suspendendo o estado de emergência” – disse Covas.

A decisão foi tomada pelo Comitê de Gerenciamento de Crise, porque já está sendo normalizado o fornecimento de combustível para frota de serviços essenciais como o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), Serviço Funerário Municipal, Defesa Civil, Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), Assistência Social e Guarda Civil Metropolitana (GCM).

“O prefeito Bruno Covas também decretou ponto facultativo na próxima sexta-feira (1º). O decreto será publicado no Diário Oficial de quinta-feira (31) e, desta forma, a Prefeitura poderá se reorganizar, com a chegada de mais alimentos para a merenda na rede de ensino e o combustível necessário para a frota dos serviços essenciais” – informou a Prefeitura, em nota.

O prefeito também informou que 71% dos ônibus deve circular nesta quarta-feira, em média. Segundo Covas, a quantidade está sendo possível para atender a demanda completamente, porque houve uma queda do número de passageiros.

Habitualmente, são em média 9 milhões de passageiros por dia, contando com integrações do Metrô e CPTM. Ontem foram registrados apenas 6,8 milhões.

A Prefeitura informou que o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do Estado de São Paulo (Sincopetro) disponibilizou 16 postos de combustíveis exclusivamente para atender a administração municipal. Nesta quinta-feira, será avaliada a necessidade de manter a exclusividade.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Jessica Marques para o Diário do Transporte

 

 

 

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta