Brasil tem 540 aglomerações e duas interdições em rodovias. 96 empresas transportadoras foram multadas em R$ 141 milhões por bloqueios em rodovias. AGU quer elevar multa contra greve dos petroleiros para R$ 5 milhões

Publicado em: 30 de maio de 2018

Governo vai editar medida provisória para aumentar efetivo da PRF em 2 mil policiais em atuação

ADAMO BAZANI

O país registra até o início da tarde desta quarta-feira, 30 de maio de 2018, 540 concentrações, chamadas pelo Governo Federal de aglomerações, e duas interdições totais em rodovias.

Os números foram informados há pouco por ministros que compõem o Gabinete de Gestão de Crise do governo Michel Temer.

Segundo o ministro o Ministro Extraordinário da Segurança Pública, Raul Jungmann, o presidente Temer vai editar uma medida provisória ainda hoje que deve ampliar as horas trabalhadas voluntariamente pelos policiais rodoviários federais.

Com o “Plantão Voluntário”, pelo qual o governo “compra horas de folga dos policiais”, o efetivo nas estradas deve aumentar em dois mil agentes.

Segundo o ministro, para desobstruir vias e escoltar os caminhoneiros que querem voltar a trabalhar, há um contingente de 10 mil agentes da Polícia Rodoviária Federal, 20 mil homens das Forças Armadas, mil da Força Nacional de Segurança e 800 motoristas do Exército estão sendo utilizados para dirigir caminhões.

A Advogada-Geral da União, Grace Maria Fernandes Mendonça, disse que o Governo ingressou no STF – Supremo Tribunal Federal com ação para cobrar de imediato as multas já aplicadas às empresas transportadoras cujos caminhões participaram do movimento de paralisação.

Segundo Grace, são multas processuais e não administrativas ou de trânsito

Foram R$ 141 milhões em multas  a 96 empresas até o momento, mas o número vai aumentar.

Subiu de 37 para 52 o número de inquéritos abertos contra empresas e empresários suspeitos de locaute

PETROLEIROS:

A ministra da AGU, Grace Mendonça, disse que o Governo Federal pediu ao Superior Tribunal de Justiça o aumento da multa diária à Federação Única dos Petroleiros (FUP) pela paralisação da categoria dos atuais R$ 500 mil concedidos pela justiça para R$ 5 milhões.

Apesar da decisão de ontem considerando a greve ilegal e abusiva, os petroleiros pararam hoje.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Deixe uma resposta