Aumentam pontos de concentrações em rodovias de 594 para 616 e Governo evita usar o termo “bloqueios”, mesmo que parciais. Forças Armadas e PRF devem criar mais rotas de comboios de caminhão

Almirante Ademir Sobrinho, chefe do Estado Maior-Conjunto das Forças Armadas, diz que serão realizadas novas ações

Houve confronto em liberações. De acordo com almirante Ademir Sobrinho, caminhoneiros estão sendo impedidos de circular por manifestantes que não são da categoria

ADAMO BAZANI

As Forças Armadas apresentaram em entrevista coletiva no final da tarde desta terça-feira, 29 de maio de 2018, um balanço das ações para terminar com as concentrações de caminhoneiros nas estradas.

De acordo com o chefe do Estado Maior do Conjunto das Forças Armadas, almirante Ademir Sobrinho, desde sábado são feitos comboios para os caminhoneiros que querem sair das manifestações. Em alguns caos, têm ocorrido confrontos, como no Maranhão, onde foram presas sete pessoas que não eram motoristas de caminhão; nas imediações de Rio Branco, em Seropédica e Barra Mansa, no Rio de Janeiro.

O almirante disse também que as situações mais críticas de concentrações estão em Rondonópolis , no Mato Grosso, Catalão, em Goiás,  e em pontos isolados no Nordeste e Rio Grande do Sul.

As Forças de Segurança evitam falar em bloqueios, nem mesmo parciais, mas informaram que aumentou o número de concentrações de 594 para 616 pontos até à tarde desta terça-feira.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal – PRF, estão neste momento sendo realizados atos em pelo menos 23 estados e no Distrito Federal.

Ocorreram desde segunda-feira da semana passada, 751 desinterdições em rodovias, de acordo com a PRF.

As forças de segurança dizem que até amanhã devem ser criados mais corredores de livre circulação.

Já foram criados os corredores

Betim (MG) / Brasília (DF)

Vilhena (RO) / Rio Branco (AC)

Caracaraí (RR) / Boa Vista (RR)

Os caminhões seguem em comboio nos corredores.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Deixe uma resposta