Artesp e Cittati fecham convênio para estudar aplicativo destinado a passageiros de ônibus rodoviários e suburbanos

Sistemas de ônibus rodoviários devem ter aplicativo parecido com das linhas urbanas

Tecnologia deve ser usada após licitação, que ainda está barrada pelo TCE

ADAMO BAZANI

Os passageiros de ônibus rodoviários do Estado de São Paulo poderão contar com um aplicativo, semelhante aos usados nos sistemas urbanos e metropolitanos, com informações sobre os serviços, e possibilidade de registrar reclamações em tempo real.

A Artesp, agência que regula os transportes de passageiros dentro do Estado, firmou um convênio de cooperação técnica com a empresa de tecnologia Cittati.

O objetivo é desenvolver uma ferramenta “no âmbito do ambiente virtual da plataforma CittaMobi para estabelecer um canal mobile para todo o Estado de São Paulo que disponibilize informações operacionais aos passageiros dos serviços de transporte coletivo intermunicipal regular (rodoviário e suburbano) sob gestão da Artesp e permita aos passageiros reportarem as condições de serviços prestados pelas empresas operadoras”.

Como o acordo trata-se de trocas de informações e conhecimentos, não há custos para o poder público. O convênio deve durar 48 semanas.

O CittaMobi hoje está presente em diversas cidades do País para os passageiros de ônibus urbanos e metropolitanos.

Pela ferramenta, os passageiros têm informações sobre linhas, horários, itinerários e a previsão em tempo real da chegada dos ônibus nos pontos.

O aplicativo funciona com os dados gerados pelos GPS dos ônibus.

Entre as linhas rodoviárias intermunicipais e as suburbanas, nem todos os ônibus possuem equipamento de geolocalização.

O aplicativo e o GPS nos ônibus devem ser obrigatórios no sistema de linhas rodoviárias e suburbanas.

A exigência faz parte do processo de licitação que deve reorganizar o sistema, mas, após representações de empresas de ônibus, o edital foi barrado pelo TCE – Tribunal de Contas do Estado de São Paulo.

Relembre:

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes

Compartilhe a reportagem nas redes sociais:
Comentários

Comentários

  1. Luis Carlos disse:

    Isso é mais gasto para as empresas. O empresariado ficando cada vez mais sufocado pelas obrigações. Deus me livre ANTT, ARTESP, DEER, PRE, PRF, PM, PC, e P sei lá das quantas.

  2. Rogerio Belda disse:

    “Assim o é se lhe parece”, diria o dito inglês.. Mas o melhor será ouvir a opinião das empresas do setor. Lembro-me sempre de um enorme cartaz na cidade americana de New Orleans com a fotografia de um taxi oficial da cidade com o dizeres em inglês: “Fotografe antes que acabe”, Temos boas empresas de transporte rodoviário que concorrem com outros sistemas, tais como: Aviões, trens, “uber”. E ainda, cada vez mais, são melhores comunicações eletrônicas a distância. Quando todos estão correndo, quem está só andando é como se estivesse parado. É melhor ouvir as próprias empresas rodoviárias que, na minha opinião, são bem administradas e nem um pouco retrogradas. Aliás nunca foram. A ferrovia tem a imagem da conquista do “sertão”. Mas isto é de um outro século já bem distante. O interior se modernizou graças aos ônibus e caminhões, mas este novo século será também cibernético e eletrônico.

Deixe uma resposta